EUA prendem três homens por suspeita de tentar aderir ao EI | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 26.02.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

EUA prendem três homens por suspeita de tentar aderir ao EI

Dois cazaques e um uzbeque, moradores de Nova York, são detidos sob suspeita de tentar aderir ao grupo jihadista "Estado Islâmico" na Síria e por planejarem ataques em território americano.

Três moradores de Nova York foram presos nesta quarta-feira (25/02) por suspeita de planejarem viajar à Síria para aderir ao grupo terrorista "Estado Islâmico" (EI). Segundo o Departamento de Justiça dos EUA, eles também falavam de um atentado para matar o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e em explodir uma bomba no centro de Nova York.

Os três homens – identificados como Habibov Abror, de 30 anos, e Abdurasul Hasanovich Juraboev, de 24, ambos do Uzbequistão, e Akhror Saidakhmetov, de 19, do Cazaquistão – foram acusados de conspiração por fornecer apoio a uma organização terrorista internacional.

Os acusados queriam unir-se ao Estado Islâmico, voando para a Turquia, e planejavam cometer atos de terrorismo nos EUA caso não conseguissem viajar, incluindo matar agentes do FBI, disse o vice-diretor do FBI em Nova Iorque, Diego Rodriguez.

O cazaque Akhror Saidakhmetov foi preso durante a manhã ao tentar embarcar num voo para a Istambul a partir do aeroporto John F. Kennedy. O uzbeque Abdurasul Hasanovich Juraboev também tinha um bilhete para a Turquia, mas deixaria os Estados Unidos apenas no próximo mês, de acordo com o Ministério Público. Os dois agora devem comparecer perante as autoridades judiciais do Brooklyn.

Já o terceiro suspeito, o também uzbeque Habibov Abror, é acusado de ajudar Saidakhmetov a se unir às fileiras da organização jihadista. Ele foi preso no estado da Flórida e deve ser levado à Justiça de Jacksonville.

A polícia vinha monitorando os três no Brooklyn desde agosto do ano passado. Eles eram suspeitos de postar mensagens online em apoio ao terrorismo do EI e a atos de violência dentro e fora do território americano.

MSB/lusa/dpa

Leia mais