EUA impõem sanções à Rússia por ingerência nas eleições | Notícias internacionais e análises | DW | 15.03.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

EUA impõem sanções à Rússia por ingerência nas eleições

Medidas afetam cinco entidades, incluindo as principais agências de inteligência do país, e 19 indivíduos. Washington acusa Moscou de tentar interferir no pleito de 2016 e realizar ciberataques. Kremlin promete retaliar.

Moskau US Botschaft Gebäude (Getty Images/AFP/K. Kudryavtsev)

Embaixada americana em Moscou. Já são mais de 100 entidades e indivíduos russos afetados por sanções dos EUA

Os Estados Unidos anunciaram nesta quinta-feira (15/03) a imposição de novas sanções contra instituições e indivíduos da Rússia, com a justificativa de que Moscou tentou interferir nas eleições presidenciais americanas de 2016, além de ter realizado ciberataques contra o país.

As medidas afetam, ao todo, cinco entidades e 19 indivíduos. Entre eles estão o Serviço Federal de Segurança (FSB), principal agência de espionagem da Rússia, e o Departamento Central de Inteligência (GRU), sob comando das Forças Armadas.

As outras três entidades são empresas russas, incluindo a Internet Research Agency, conhecida por utilizar perfis falsos para fazer postagens em redes sociais e comentários em sites de notícias, a maioria em apoio ao governo russo. Os EUA acusam a agência de orquestrar uma campanha de desinformação em massa a fim de afetar o resultado das eleições presidenciais.

Entre as pessoas atingidas pelas sanções estão 13 russos recentemente indiciados pelo procurador especial Robert Mueller, que investiga a suposta ingerência russa nas eleições e possíveis vínculos entre a campanha do Partido Republicano, do presidente Donald Trump, e Moscou.

Em comunicado, o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, afirmou que o governo "enfrenta e resiste à atividade cibernética maligna da Rússia", incluindo a "tentativa de interferência nas eleições americanas" e "ataques virtuais destrutivos".

Segundo a nota, "atores cibernéticos" do governo russo atingiram entidades governamentais dos EUA e vários setores importantes de infraestrutura do país, incluindo instalações energéticas, nucleares e comerciais, bem como de distribuição de água, aviação e manufatura.

O governo americano também acusou Moscou de responsabilidade pelo ciberataque que afetou várias partes do mundo em junho de 2017, com um malware conhecido como "NotPetya". O programa paralisou computadores, exigindo um pagamento em moeda digital para remover a obstrução.

Segundo o Departamento de Tesouro, o ataque hacker foi o mais destrutivo e custoso da história, resultando em bilhões de dólares em danos para a Europa, Ásia e EUA, além de ter interrompido o funcionamento de vários setores, do transporte marítimo global à produção de medicamentos.

Com as medidas anunciadas nesta quinta-feira, já são mais de 100 as entidades e indivíduos russos afetados por sanções dos EUA.

Rússia promete resposta

Em reação às sanções, o vice-ministro do Exterior russo, Sergei Ryabkov, afirmou que o governo russo já "começou a preparar medidas de retaliação". Segundo ele, Washington orquestrou tais medidas para afetar o curso das eleições presidenciais na Rússia, que ocorrem neste fim de semana.

A decisão americana está relacionada "à desordem interna nos EUA e, é claro, ao nosso calendário eleitoral", afirmou Ryabkov, citado pela agência de notícias estatal russa Tass.

Esta é a primeira rodada de sanções anunciadas pelos Estados Unidos desde que o Congresso aprovou, no ano passado, um projeto de lei que autoriza esse tipo de medida contra a Rússia – ele chegou a ser assinado por Trump, mas ainda não tinha sido implementado.

As sanções ocorrem apesar de o presidente negar repetidamente que Moscou tenha tentado favorecer sua vitória nas eleições de 2016. A demora no anúncio de tais medidas, porém, vinha sendo criticada pela oposição. "Levou 14 meses. Finalmente saiu. Agora devemos proteger nossas eleições no futuro", afirmou a senadora democrata Amy Klobuchar.

Nesta quinta-feira, o procurador especial Robert Mueller intimou as Organizações Trump a entregarem uma série de documentos às investigações, incluindo alguns ligados à Rússia, afirmou o jornal americano The New York Times. O pedido de Mueller é o primeiro envolvendo diretamente os negócios do presidente.

EK/afp/ap/dpa/efe/rtr

_________________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais