EUA enviam tropas especializadas ao Iraque | Notícias internacionais e análises | DW | 02.12.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

EUA enviam tropas especializadas ao Iraque

Militares auxiliarão forças de segurança locais e combatentes peshmerga no combate ao EI. Secretário de Defesa não revela tamanho do grupo, mas ressalta que ele poderá coordenar operações e capturar líderes jihadistas.

Os Estados Unidos estão enviando tropas "especializadas" ao Iraque para combater o grupo extremista "Estado Islâmico" (EI), afirmou nesta terça-feira (01/12) o secretário americano de Defesa, Ashton Carter.

O chefe do Pentágono disse ainda que a "força expedicionária especializada direcionada" está sendo implementada no Iraque para auxiliar as forças de segurança iraquianas e os combatentes peshmerga no luta contra o grupo jihadista.

"Esses militares poderão conduzir operações, libertar reféns, reunir inteligência e capturar os líderes do EI", afirmou Carter, sem anunciar o número de soldados que participarão da missão e onde será a base do grupo.

Carter não revelou detalhes sobre o grupo, que não tem relação com o envio de 50 militares americanos de operações especiais à Síria para coordenar ações com grupos rebeldes apoiados pelos EUA.

O secretário ressaltou, no entanto, que o movimento está em plena coordenação com o governo iraquiano. "Essa força estará em uma posição para conduzir operações unilaterais para a Síria", acrescentou e disse que os EUA estão preparados para expandir o papel de suas forças especiais em território sírio.

"A comunidade internacional, incluindo nossos aliados e parceiros, tem que intensificar antes que outro ataque como Paris ocorra. Quanto mais contribuições recebermos de outras nações, maior o poder de combate que alcançaremos com nossa própria força", disse Carter.

Em 2014, os jihadistas tomaram o controle de várias áreas no Iraque e na Síria, onde proclamaram um califado que abrange a região que vai de Aleppo, no norte sírio, até Diyala, no leste iraquiano. Em setembro do mesmo ano, os Estados Unidos e uma coalizão internacional começaram a lançar ataques aéreos na Síria contra alvos do "Estado Islâmico", ao expandir a campanha que teve início no Iraque.

CN/rtr/afp/ap

Leia mais