EUA endurecem postura sobre legalização da maconha | Notícias internacionais e análises | DW | 05.01.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

EUA endurecem postura sobre legalização da maconha

Presidente americano revoga diretriz que deixava estados decidirem sobre descriminalização da cannabis. Medida é anunciada três dias após Califórnia inaugurar maior mercado legal de maconha do mundo.

Cannabis

Trump coloca fim a postura federal mais flexível em relação à regulamentação da maconha

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, revogou nesta quinta-feira (04/01) uma diretriz aprovada por seu antecessor, Barack Obama, que aliviava a aplicação de leis federais em estados que legalizaram a maconha. A medida deixava na prática a decisão sobre o tema nas mãos dos governos estaduais.

Após a autorização de Trump, o procurador-geral dos EUA, Jeff Sessions, divulgou um memorando que orienta os promotores a fazer cumprir a lei federal e continuar com os princípios estabelecidos para combater atividades relacionadas com a maconha. A legislação americana determina que o uso da cannabis – recreativo ou medicinal – é ilegal.

Assistir ao vídeo 01:26

As "freiras" que cultivam maconha

O memorando possibilita que os promotores cumpram a legislação federal, que considera ilegal o uso da maconha, sobre as regras aprovadas pelos estados que descriminalizaram o consumo da substância. O uso da substância para fins médicos foi aprovado por 29 estados. Sete deles também o fizeram para fins recreativos.

O Departamento de Justiça evitou dizer se tomará alguma ação legal contra os estados que descriminalizaram a maconha. A porta-voz da Casa Branca, Sarah Sandres, disse apenas que a prioridade de Trump é fazer cumprir as leis federais.

Com revogação da diretriz, Trump colocou um fim na postura do governo federal mais flexível em relação à regulamentação da questão em nível estatal, assumida em 2013, através da aprovação da medida. A decisão contradiz as declarações realizadas durante a campanha eleitoral, quando Trump defendia que a questão da maconha deveria ser decidida pelos governos estaduais.

Maior mercado do mundo

O anúncio de Sessions foi feito três dias após a Califórnia inaugurar o maior mercado de maconha recreativa do mundo – um negócio que, estima-se, pode gerar um faturamento anual de pelo menos 7 bilhões de dólares.

Nos EUA, além da Califórnia, a venda de maconha para uso recreativo é legal nos estados do Alasca, Colorado, Nevada, Óregon e Washington. No Maine, também é legal possuir uma dose pessoal, embora ainda não se tenha autorizado a venda, o que se espera que se inicie em meados de 2018. Em Massachusetts, será legal a partir de julho deste ano. 

O senador republicano pelo Colorado Cory Gardner disse que tomará todas as medidas necessárias para que Sessions não revogue a lei aprovada durante o governo de Obama. Gardner ressaltou que antes de o Senado aprovar a nomeação de Sessions para o cargo, o agora procurador-geral tinha garantido que não derrubaria a norma de 2013.

CN/efe/rtr/ap

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados