1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Centro de vacinação contra varíola dos macacos nos EUA
Declaração de emergência vem num momento em que o governo Biden enfrenta críticas sobre a disponibilidade da vacinaFoto: Kena Betancur/AFP

EUA declaram emergência de saúde por varíola dos macacos

5 de agosto de 2022

Medida libera novos recursos e permite a mobilização de mais profissionais para os esforços de combate à doença. País já registra mais de 7 mil casos, enquanto clínicas denunciam escassez de vacinas.

https://p.dw.com/p/4FAK6

O governo dos Estados Unidos declarou emergência de saúde pública no país devido à varíola dos macacos, na tentativa de reforçar a resposta ao vírus que já infectou milhares de americanos.

A medida, anunciada nesta quinta-feira (04/08), visa liberar mais recursos, auxiliar na coleta de dados e permitir a mobilização de mais profissionais para os esforços de combate à doença.

Até quinta-feira, 7.100 casos de varíola dos macacos haviam sido registrados nos EUA, sendo boa parte deles concentrada no estado de Nova York, que já havia declarado estado de emergência em julho. Especialistas dizem ser necessária uma ação rápida para que o surto seja contido em seus estágios iniciais.

"Estamos preparados para levar nossa resposta ao próximo nível para lidar com esse vírus, e pedimos a todos os americanos que levem a varíola a sério e assumam a responsabilidade de nos ajudar a combatê-lo", disse o secretário americano de Saúde e Serviços Humanos, Xavier Becerra.

Especialistas acreditam que o número real de casos pode ser muito maior do que os números oficiais sugerem, uma vez que os sintomas do atual surto global, que começou em maio, incluíram sinais sutis, como lesões únicas na pele, além das erupções generalizadas mais conhecidas.

Isso pode fazer com que muitos infectados não procurem ajuda médica, ou que casos sejam diagnosticados erroneamente, já que a aparência da lesão é semelhante às de infecções sexualmente transmissíveis comuns.

Vacinação

A declaração de emergência de saúde pública vem num momento em que o governo de Joe Biden enfrenta críticas sobre a disponibilidade da vacina contra a varíola dos macacos.

Clínicas de grandes cidades, como Nova York e São Francisco, afirmam que não receberam vacinas de duas doses suficientes para atender à demanda, e algumas tiveram que parar de oferecer a segunda dose para garantir o fornecimento da primeira.

A Casa Branca, por sua vez, diz que disponibilizou mais de 1,1 milhão de doses e ajudou a aumentar a capacidade de diagnóstico nacional para 80 mil testes por semana.

Até agora, cerca de 99% dos casos nos EUA ocorreram entre homens que fazem sexo com homens, segundo informou o Departamento de Saúde e Serviços Humanos na semana passada.

A estratégia nacional de vacinação tem se concentrado nesse grupo, o que levou a preocupações de estigmatização. Mas em artigo publicado no site médico Medscape, a professora da Universidade da Califórnia Monica Gandhi afirmou ser útil focar na população mais afetada.

"Assim como o HIV e a covid-19, é importante definir as populações de maior risco para que possamos priorizar mensagens e recursos direcionados a esses grupos", disse a especialista.

Autoridades de saúde enfatizam, porém, que o vírus pode infectar qualquer um. Embora em menor número, os EUA também já registraram casos entre mulheres e crianças.

A transmissão ocorre através de contato físico prolongado, incluindo abraço, beijo e compartilhamento de roupa de cama, toalha e roupas.

Não há casos de mortes por varíola dos macacos nos EUA até o momento, embora alguns pacientes tenham precisado de hospitalização para tratar níveis extremos de dor.

ek/lf (AFP, AP, Reuters)

Pular a seção Mais sobre este assunto
Pular a seção Conteúdo relacionado