EUA aplicaram vacina contra covid-19 em mais da metade dos adultos | Notícias internacionais e análises | DW | 18.04.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

EUA aplicaram vacina contra covid-19 em mais da metade dos adultos

Governo americano afirma que quase 130 milhões de pessoas com mais de 18 anos receberam pelo menos uma dose do imunizante contra o coronavírus no país.

Fila para vacinação em Oakland, nos Estados Unidos

Cerca de 84 milhões de pessoas, ou 32,5% da população adulta, já estão completamente imunizadas

Mais da metade de toda a população adulta dos Estados Unidos recebeu ao menos uma dose da vacina contra a covid-19, anunciou o governo americano neste domingo (18/04).

Segundo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), quase 130 milhões de pessoas com 18 anos ou mais foram vacinadas com pelo menos uma dose até o momento, o que representa 50,4% de todos os adultos do país.

Por sua vez, cerca de 84 milhões de pessoas, ou 32,5% da população adulta, já estão completamente imunizadas – seja com as duas doses das vacinas que requerem duas aplicações, seja com uma dose única da vacina da empresa Johnson & Johnson.

Ao todo, os EUA aplicaram 109 milhões de doses da vacina da Pfizer-Biontech, 92 milhões de doses do imunizante da Moderna e 7,9 milhões da vacina de dose única da Johnson & Johnson.

Ouvir o áudio 05:31

Boletim de Notícias (19/04/21)

Os Estados Unidos são um dos países cuja campanha de vacinação avança com mais rapidez, com uma taxa de imunização de 61,6 doses administradas por 100 habitantes – levando em conta toda a população do país, e não apenas os adultos.

Entre os países com mais de 5 milhões de habitantes, o número americano fica atrás de Israel, que lidera com 119,15 doses aplicadas por 100 pessoas, Emirados Árabes Unidos (97,08), Chile (67) e Reino Unido (62), segundo o site Our World in Data. Em comparação, o Brasil havia administrado até 15 de abril 15,44 doses por 100 habitantes.

Inclinação política vs. vacinação

Os estados americanos com as maiores taxas de vacinação têm histórico de voto no Partido Democrata e apoiaram o atual presidente do país, Joe Biden, nas eleições de 2020. São eles: New Hampshire, Novo México, Connecticut, Massachusetts e Maine, segundo o CDC.

Por outro lado, a demanda por vacina não se mostrou tão alta em estados com histórico republicano e que votaram no ex-presidente Donald Trump no pleito do ano passado. É o caso dos quatro estados com menor taxa de imunização: Tennessee, Louisiana, Alabama e Mississippi.

As taxas de imunização nem sempre se alinham com a forma como os estados votam. Mas pesquisas de opinião recentes mostraram tendências que associam inclinações políticas a atitudes relacionadas à vacinação e a outras questões sobre a pandemia de covid-19.

Um levantamento realizado em março pela agência de notícias Associated Press em parceria com a organização de pesquisa NORC apontou que 36% dos republicanos provavelmente ou definitivamente não irão se vacinar, em comparação com 12% dos democratas.

Em geral, contudo, a disposição para receber o imunizante aumentou nos últimos meses. Em janeiro, 67% dos adultos americanos disseram que se vacinariam ou já haviam recebido doses do imunizante. Em março, essa porcentagem subiu para 75%.

Pausa na Johnson & Johnson

Por outro lado, os esforços da Casa Branca para acelerar a vacinação encontraram um obstáculo quando as autoridades de saúde relataram que seis pessoas desenvolveram um raro distúrbio envolvendo coágulos sanguíneos após tomarem a injeção da Johnson & Johnson.

Um painel de especialistas convocado pelo governo está avaliando a questão, e uma decisão sobre a continuidade do uso da vacina no país deverá ser tomada até a próxima sexta-feira, disse Anthony Fauci, principal assessor médico do presidente Biden.

Os Estados Unidos são o país mais atingido pela pandemia de covid-19 em números absolutos, somando 31,6 milhões de casos confirmados da doença e mais de 567 mil mortos.

ek (AP, AFP, ots)

Leia mais