EUA alertam europeus contra exclusão em projetos de defesa | Notícias internacionais e análises | DW | 15.05.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

EUA alertam europeus contra exclusão em projetos de defesa

Washington teme que novos projetos impliquem menor participação de empresas americanas no setor europeu de defesa e ameaça retaliar. UE afirma que preocupações são infundadas.

Preocupações americanas envolvem o Fundo Europeu de Defesa (FED), dotado de 13 bilhões de euros

Preocupações americanas envolvem o Fundo Europeu de Defesa (FED), dotado de 13 bilhões de euros

Os Estados Unidos denunciaram a existência de "cápsulas venenosas", embutidas em propostas de projetos para a cooperação europeia no setor de defesa, que poderiam eliminar a participação de países aliados.

Os Estados Unidos destacaram esse ponto numa carta à chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Federica Mogherini, tornada pública nesta terça-feira (14/05), e advertiram que poderá haver retaliações.

Mogherini afirmou que esses temores são infundados. "Na verdade, a UE é muito mais aberta [para as empresas americanas] do que o mercado de defesa americano é para as empresas da União Europeia", declarou Mogherini em Bruxelas, depois de uma reunião com ministros da Defesa dos países-membros.

Federica Mogherini em Bruxelas

"Na UE não existe uma lei 'compre apenas europeu', afirmou Mogherini

"Na UE não existe uma lei 'compre apenas europeu', e 81% dos contratos internacionais vão para empresas dos Estados Unidos."

As preocupações americanas envolvem o Fundo Europeu de Defesa (FED), dotado de 13 bilhões de euros ao longo de sete anos e aprovado em abril pelo Parlamento Europeu, e o pacto de defesa Cooperação Estruturada Permanente (Pesco), que prevê a cooperação entre países europeus em projetos para desenvolver novos equipamentos militares, como caças e drones, e em sistemas de apoio, como hospitais militares e centros de treinamento.

A ministra alemã da Defesa, Ursula von der Leyen, disse que os europeus apenas estão fazendo aquilo que os americanos pedem há anos: melhorando seus recursos de defesa. O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, apoiou o pacto, desde que ele não leve a redundâncias.

Mas os EUA se mostraram preocupados. "O projeto de regulamentação do FED e as condições-gerais do Pesco representam uma virada dramática nas últimas três décadas de crescente integração do setor de defesa transatlântico", escreveram a vice-secretária da Defesa dos EUA, Ellen Lord, e a negociadora americana de controle de armas, Andrea Thompson, na carta a Mogherini, datada de 1º de maio.

Mogherini se encontrou com ministros da Defesa da UE nesta terça-feira para debater formas de participação de países de fora da UE, como os Estados Unidos, a Noruega e, em breve, o Reino Unido, nos projetos de defesa do bloco.

Os ministros anunciaram que responderão à carta em breve para "eliminar preocupações desnecessárias". Diplomatas europeus disseram que a carta, no seu tom e conteúdo, foi mal recebida pela UE. Ela foi entregue pelo embaixador dos Estados Unidos na União Europeia, Gordon Sondland, que se dirigiu à chefe da diplomacia chamando-a informalmente de "Federica" e exigiu uma resposta até 10 de junho.

Segundo o Instituto Internacional de Pesquisas sobre a Paz (Sipri), de Estocolmo, os Estados Unidos são o maior exportador de armas do mundo, com uma participação de 36% no mercado mundial, seguidos pela Rússia, França e Alemanha.

França e Alemanha planejam desenvolver um caça europeu no âmbito de um projeto para obter maior "autonomia estratégica" e encerrar a dependência histórica dos EUA para garantir a segurança regional.

Dentro da UE, um grupo liderado pela França quer regras rígidas para a participação externa em projetos europeus de defesa, com o objetivo de obter "autonomia estratégica" no setor. Já um grupo liderado pela Holanda e Suécia defende uma abordagem mais inclusiva.

AS/rtr/afp

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais