Estados Unidos condenam decisão de Supremo venezuelano | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 30.03.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Estados Unidos condenam decisão de Supremo venezuelano

Departamento de Estado americano acusa a tribunal venezuelano de usurpar os poderes do Congresso. Secretário-geral da OEA e Peru afirmam que decisão é inconstitucional.

Toner pediu à Venezuela que respeite suas instituições democráticas

Toner pediu à Venezuela que respeite suas instituições democráticas

Os Estados Unidos condenaram nesta quinta-feira (30/03) a decisão do Tribunal Supremo de Justiça da Venezuela de assumir as competências do Legislativo venezuelano. O Departamento de Estado americano acusou a corte de usurpar os poderes do Congresso eleito democraticamente.

"Esta ruptura das normas democráticas e constitucionais danifica em grande medida as instituições democráticas da Venezuela e nega ao povo venezuelano o direito de moldar o futuro de seu país através de seus representantes eleitos. Consideramos isso um grave revés para a democracia na Venezuela", disse o porta-voz do Departamento de Estado, Mark Toner, em comunicado.

Toner ressaltou que "as democracias do Hemisfério Ocidental, reunidas nesta semana no Conselho Permanente da Organização dos Estados Americanos (OEA), pediram à Venezuela que respeite suas instituições democráticas enquanto procura uma solução negociada a suas crises políticas, econômicas e humanitárias".

"Pedimos ao governo da Venezuela que permita à Assembleia Nacional democraticamente eleita desempenhar suas funções constitucionais, realizar eleições o mais rápido possível e libertar imediatamente todos os presos políticos", reiterou o porta-voz.

O Tribunal Supremo de Justiça da Venezuela decidiu na quarta-feira que assumirá as competências do parlamento devido à persistência do "desacato", um status que o poder impôs à Assembleia Nacional pelo descumprimento de várias sentenças.

Mais críticas

O secretário-geral da OEA, Luis Almagro, tachou a manobra de "autogolpe de Estado", e reiterou a necessidade de convocar de maneira "urgente" um Conselho Permanente no marco do artigo 20 da Carta Democrática. Almagro solicitou no último dia 14 de março a suspensão da Venezuela da entidade, se o país não convocar eleições gerais dentro de um mês.

Além dos EUA, o Peru também condenou a manobra da Justiça venezuelana e ordenou a retirada definitiva do seu embaixador em Caracas.

"O Governo do Peru condena a decisão do Tribunal Supremo de Justiça de atribuir-se competências parlamentares que correspondem à Assembleia Nacional, medida arbitrária que viola o Estado de Direito e constitui uma ruptura da ordem constitucional e democrática na Venezuela", afirmou o governo peruano em comunicado.

"Perante a gravidade destes fatos, o Governo do Peru decidiu retirar de maneira definitiva o seu embaixador Venezuela (Mariano López Chávarry)", acrescenta.

CN/efe/lusa

Leia mais