Escravidão moderna atinge 46 milhões de pessoas no mundo | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 31.05.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Escravidão moderna atinge 46 milhões de pessoas no mundo

Estudo divulgado por ONG revela que o número de submetidos a trabalhos forçados, escravidão sexual e outras formas de exploração é maior do que se estimava. Maior concentração está na Ásia.

Um estudo divulgado nesta terça-feira (31/05) revelou que quase 46 milhões de pessoas em todo o mundo estão submetidas a alguma forma de escravidão, seja em trabalhos forçados, escravidão sexual, dependências por dividas e outras formas de exploração.

O Índice Global de Escravidão 2016, divulgado pela organização australiana Walk Free Fountation, relata que o número de pessoas afetadas pela "escravidão moderna" é muito superior ao reconhecido anteriormente, com quase dois terços do total registrados na Ásia.

O termo escravidão moderna descreve de modo abrangente o tráfico de pessoas e as práticas de trabalhos forçados, escravidão sexual ou resultante de endividamentos, casamentos forçados e outras condições semelhantes.

As pessoas submetidas a essas práticas são alvos de ameaças, coerções, abusos de poder ou embustes para impedir as tentativas de abandonar esses trabalhos.

Segundo o relatório, o maior número de pessoas nessas condições foi registrado na Índia, com 18,35 milhões, seguido de China (3,39 milhões), Bangladesh (1,53 milhão) e Uzbequistão (1,23 milhão).

Levando em conta os índices de escravidão em relação à população, a Coreia do Norte apresenta os números mais altos, com 4,37% de seus 25 milhões de habitantes vivendo como escravos modernos. O relatório aponta ainda que o país não tomou qualquer atitude para combater essas práticas, que seriam apoiadas pelo Estado. Nessa análise, o Uzbequistão estaria em segundo lugar, com 3,97% de sua população escravizada.

Assistir ao vídeo 02:30
Ao vivo agora
02:30 min

Museu Gulag, em Moscou, relembra vítimas do regime de Stalin

A Europa registra os índices mais baixos. Entretanto, a Walk Free Foundation relata que o continente seria uma fonte de origem e destino de trabalhadores forçados e escravos sexuais, e alerta que o aumento do número de refugiados poderá aumentar tais ocorrências no continente.

A ONG afirma que, nas Américas, quase 2, 2 milhões de pessoas (4,7%) vivem como escravos modernos. No Brasil, as explorações estão concentradas nas áreas rurais, como a região do cerrado e a Amazônia. Segundo o estudo, em 2015, 936 pessoas, na maioria migrantes internos, foram resgatadas de trabalhos escravos.

O relatório ressalta, porém, que o Brasil foi um dos poucos países no continente a estabelecer e financiar adequadamente órgãos independentes para fiscalizar a implementação de acordos internacionais de combate a escravidão.

Os dados da Walk Free Foundation contrastam com os da Organização Internacional do Trabalho da ONU, segundo a qual, 21 milhões de pessoas em todo o mundo seriam vítimas do trabalho escravo. Esses índices não levam em conta a definição mais ampla de escravidão moderna, utilizada pela ONG australiana.

RC/afp/rtr

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados