1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan
Presidente turco, Recep Tayyip ErdoganFoto: picture-alliance/Anadolu Agency/Turkish Presidency/M. Cetinmuhurdar

Erdogan descarta saída do Chipre

13 de janeiro de 2017

Em meio a negociações para encerrar divisão que se estende por mais de quatro décadas, presidente turco afirma que não fará concessões. "Ficaremos lá para sempre", diz.

https://www.dw.com/pt-br/erdogan-descarta-sa%C3%ADda-do-chipre/a-37129807

Depois que as negociações em Genebra reacenderem as esperanças sobre uma solução definitiva para o conflito no Chipre, o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, descartou nesta sexta-feira (13/01) desocupar o país dividido.

"Respeito as garantias. Nunca esperem garantias onde a Turquia não estiver. Ficaremos lá para sempre", afirmou Erdogan, ao comentar as negociações entre as duas comunidades que pretendiam acabar com a divisão da ilha.

Erdogan disse que os cipriotas turcos estão trabalhando intensivamente e sendo sinceros, mas que Atenas e os cipriotas gregos ainda têm expectativas diferentes. O principal impasse é a presidência rotatória, na qual a comunidade cipriota grega teria quatro turnos para cada um dos cipriotas turcos. O presidente afirmou que a proposta é inaceitável.

"Um para quatro é impossível. Já falamos disto antes. Será um para dois, o que significa um período para os turcos e dois para os cipriotas gregos. Isso é justo, se queremos uma paz justa e ampla lá", garantiu Erdogan.

Os gregos rejeitam categoricamente a presidência rotatória no caso de um futuro Estado federal bicomunal e com duas partes, mas com uma só nacionalidade e estatuto internacional.

Erdogan ressaltou ainda que, além desta concessão, os negociadores de Genebra não deveriam esperar mais nada da Turquia.

A ilha, localizada no Mar Mediterrâneo, está dividida desde 1974, quando foi ocupada por tropas turcas em resposta a um de golpe que pretendia a união do país com a Grécia. Sua divisão compreende a República do Chipre, membro da União Europeia desde 2004, e República Turca do Chipre do Norte, reconhecida apenas pelo governo em Ancara.

A Turquia ainda mantém mais de 30 mil soldados na ilha, e tanto a Grécia quanto o governo do Chipre querem que os militares se retirem. Em 1974, os cipriotas turcos correspondiam a 18% da população local, mas atualmente eles controlam mais de um terço do território da ilha.

CN/efe/rtr/ap/afp