Erdogan ameaça fechar bases aéreas dos EUA na Turquia | Notícias internacionais e análises | DW | 15.12.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Erdogan ameaça fechar bases aéreas dos EUA na Turquia

Em represália à classificação, por Washington, do massacre do povo armênio em 1915 como genocídio, presidente turco volta a acenar com fechamento de instalações militares americanas em seu país.

Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, discursa diante de bandeira da Turquia

Massacre dos armênios pelo Império Otomano é uma pedra na política externa turca

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou neste domingo (15/12) que, se for necessário, poderá fechar a base aérea americana de Incirlik. O anúncio vem em resposta às recentes tensões com os Estados Unidos, intensificadas devido ao recente reconhecimento do genocídio na Armênia pelo Império Otomano.

"Se tivermos que tomar uma decisão assim, em seu devido momento, teremos a autoridade para isso. Quando for o momento, discutiremos e, se for preciso, fechar Incirlik, fecharemos", ameaçou o chefe de Estado, em entrevista às emissoras de televisão turcas ATV e A Haber.

Erdogan ameaçou a mesma medida quanto à base de Kürecik, também no sudeste turco, onde o Exército dos EUA mantém uma estação de radar. "Tomaremos a decisão necessária nos marcos da reciprocidade. A Turquia não é uma república tribal", garantiu o chefe de Estado.

"É muito importante para os dois lados, que os Estados Unidos não deem passos irreparáveis nas relações", prosseguiu. Incirlik, na província de Adana, é uma grande base aérea, com papel importante para as operações dos EUA na Síria.

O encerramento das bases é sistematicamente mencionado por Ancara, a cada pico de tensão diplomática com Washington. Na última quinta-feira, contudo, o Senado americano aprovou por unanimidade uma moção que reconhece o genocídio da Armênia. Os deputados da Câmara dos Representantes já haviam votado no mesmo sentido, por 405 a 11.

O governo da Turquia admite que o Império Otomano cometeu, em 1915, massacres contra a população armênia, mas nega taxativamente que o episódio possa ser classificado como "genocídio", pois o termo não seria utilizado na época. Apesar disso, diversos países e órgãos reconhecem o genocídio armênio, entre eles Brasil, Alemanha, Igreja Católica, as Nações Unidas e o Parlamento Europeu.

AV/lusa,efe,ots

_________________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais