Entidades judaicas condenam fala de Weintraub | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 28.05.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Entidades judaicas condenam fala de Weintraub

Ministro da Educação comparou mandados no inquérito das fake news com infame "Noite dos Cristais", episódio que marcou o início do Holocausto. Para Comitê Judaico Americano, um insulto às vítimas do terror nazista.

Weintraub foi convocado a depor no âmbito do inquérito das feke news

Weintraub foi convocado a depor no âmbito do inquérito das feke news

Entidades judaicas reagiram com repúdio a postagens no Twitter do ministro da Educação, Abraham Weintraub, que comparou a operação de busca e apreensão realizada pela Polícia Federal na quarta-feira (27/05) no inquérito das fake news à Noite dos Cristais e ao nazismo.

Em sua conta no Twitter, que tem mais de 800 mil seguidores, Weintraub disse que o episódio "será lembrado como a "noite dos cristais brasileira". "Profanaram nossos lares e estão nos sufocando", escreveu.

A expressão "Sieg Heil" em alemão significa "salve a vitória" e era usada durante o período nazista pelos simpatizantes do regime. A Noite dos Cristais, de 9 para 10 de novembro de 1938, marcou o início do Holocausto, que causou a morte de seis milhões de judeus na Europa até o final da Segunda Guerra Mundial. Na data, sinagogas, casas comerciais e residências de judeus foram invadidas, seus pertences destruídos e dezenas de judeus foram mortos.

Em outra postagem, o ministro disse que cresceu "escutando como os Weintraub foram caçados e como sobreviveram ao inferno de Hitler". "Escutei como a SS Totenkopft entrava nas casas das famílias inimigas do Nazismo. Nesse momento sombrio, digo apenas uma palavra aos irmãos que tiveram seus lares violados: liberdade!", escreveu.

Na quarta-feira, a Polícia Federal cumpriu 29 mandados de busca e apreensão no âmbito do inquérito das fake news. A operação mira aliados do presidente Jair Bolsonaro, entre eles o ex-deputado e presidente do PTB Roberto Jefferson. As ordens foram expedidas pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), relator do inquérito, que apura ofensas, ataques e ameaças contra ministros da Corte. 

Na terça-feira, Moraes convocou Weintraub a depor, para explicar uma declaração na reunião ministerial de 22 de abril, quando afirmou que colocaria "vagabundos na cadeia”, começando pelo STF. Porém, na madrugada desta quinta-feira, o ministro da Justiça, André Mendonça, informou que ingressou com um Habeas Corpus no STF para tentar impedir o depoimento.

As postagens de Weintraub provocaram uma onda de repúdio. O Comitê Judaico Americano, uma das principais organizações da comunidade judaica nos Estados Unidos, afirmou, pelo Twitter, que o governo brasileiro "precisa parar imediatamente". "O repetido uso político de termos referentes ao Holocausto por parte de membros do governo brasileiro é profundamente ofensivo à comunidade judaica e um insulto às vítimas e sobreviventes do terror nazista”.

Em nota, a Confederação Israelita do Brasil (Conib) afirmou que a comparação de Weintraub é "totalmente descabida e inoportuna” e minimiza "de forma inaceitável aqueles terríveis acontecimentos, início da marcha nazista que culminou na morte de seis milhões de judeus, além de outras minorias". A entidade ressaltou que "não há comparação possível", já que as ações do inquérito "se dão dentro do ordenamento jurídico, assegurado o direito de defesa, ao qual as vítimas do nazismo não tinham acesso”.

O coletivo Judeus pela Democracia disse, pelo Twitter: "A ação a mando do STF visa buscar quem financia fake news e evitar novos linchamentos virtuais. A Noite dos Cristais não foi virtual, mas foi o linchamento real a judeus. O objetivo de hoje foi tentar evitar que novas 'noites dos cristais' aconteçam com outros povos e pessoas".

A entidade também afirmou que, além de uma "comparação absurda", "o termo 'totenkopft' (sic) está mal-escrito e é impreciso historicamente". "A 'totenkopf' não entrava nas 'casas inimigas'; era a responsável por administrar os Campos de Concentração. A expressão significa 'Cabeça da Morte'", disse o coletivo.

O Museu do Holocausto de Curitiba afirmou que não apenas repudia a comparação, mas coloca a disposição material de fácil leitura para a compreensão da Noite dos Cristais. "Na total impossibilidade de dialogar com figuras e entidades que diariamente se recusam a compreender a essência do nazismo e insistem em utilizá-lo como recurso retórico para atacar seu espectro político 'rival', apresentamos conteúdos básicos em língua portuguesa, de fácil leitura e adequados para pessoas com qualquer grau de erudição ou de escolaridade".

Comparações recorrentes com o nazismo

Não é a primeira vez que membros do governo de Jair Bolsonaro fazem comparações com o nazismo. No mês passado, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, comparou o isolamento social para conter o coronavírus aos campos de concentração nazistas que mataram milhões de judeus. Em janeiro, o secretário especial de Cultura Roberto Alvim foi demitido após uma onda de repúdio por causa de um discurso no qual fez uso de trechos plagiados de uma fala do antigo ministro nazista Joseph Goebbels (1897-1945).

Em abril de 2019, políticos de todos os partidos que compõem o Parlamento alemão condenaram as declarações de Bolsonaro e de Araújo de que o nazismo teria sido um movimento de esquerda. Também em abril do ano passado, durante um evento com evangélicos no Rio de Janeiro, Bolsonaro sugeriu que se pode "perdoar, mas não esquecer" o Holocausto. Na ocasião, o Centro de Memória do Holocausto Yad Vashem, em Israel, divulgou um comunicado dizendo ninguém tem o direito de determinar se os crimes hediondos do Holocausto podem ser perdoados.

LE/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter