Em vídeo, Dilma chama impeachment de fraude e aventura golpista | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 16.04.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Em vídeo, Dilma chama impeachment de fraude e aventura golpista

Presidente divulga gravação na internet e diz que seus eventuais sucessores cortariam programas sociais. Temer rebate e classifica acusação como uma "mentira rasteira".

Após cancelar o discurso que faria em rede nacional, a presidente Dilma Rousseff divulgou na noite de sexta-feira (15/04) um vídeo nas mídias sociais em que repete a tese de que está sendo vítima de um golpe. Na gravação, ela diz que o processo de impeachment é "uma fraude" e que seus eventuais sucessores cortariam programas sociais, algo que o vice-presidente Michel Temer rebateu, chamando de uma "mentira rasteira".

"A denúncia contra mim em análise no Congresso Nacional não passa de uma fraude. A maior fraude jurídica e política da história de nosso país", afirma Dilma. "O Brasil e a democracia não merecem tamanha farsa. Peço a todos os brasileiros que não se deixem enganar, vejam quem está liderando esse processo e o que propõem para o futuro do Brasil", prossegue a presidente, em referência a Temer, que assumiria em caso de afastamento da mandatária.

A dura mensagem da presidente foi feita a menos de 48 horas da votação prevista na Câmara, no domingo, sobre o pedido de abertura de processo de impedimento da presidente. Ela é acusada de ter cometido crimes de responsabilidade.

"Podem justificar a si mesmos, mas nunca poderão olhar nos olhos da nação, porque a palavra golpe estará para sempre gravada na testa dos traidores da democracia", diz a presidente no vídeo. "É minha obrigação esclarecer os fatos e denunciar os riscos dessa aventura golpista para o país."

Temer rebateu as declarações de Dilma, afirmando ser uma "mentira rasteira" as acusações de que acabaria com o Bolsa Família. "Manterei todos programas sociais", disse ele em sua conta no Twitter, no começo da manhã deste sábado.

Ao longo desta semana, partidos com expressivo número de deputados declararam ter migrado para o lado a favor do impeachment, reduzindo as chances de o governo conseguir no domingo o apoio necessário para evitar que o pedido de impedimento de Dilma chegue ao Senado.

Se o governo conseguir 172 votos contrários ao impeachment ou a oposição não obter 342 votos favoráveis ao impedimento na Câmara, o caso é arquivado.

Para a presidente, os oposicionistas estão "dispostos a violentar a democracia e a rasgar a Constituição, espalhando a intolerância, o ódio e a violência entre nós". No Twitter, Temer indicou que Dilma é quem estaria incitando a divisão dos brasileiros.

"Defendo a unificação e pacificação dos brasileiros. Não o caos, o ódio e a guerra... Só sairemos da crise se todos trabalharem pelo Brasil, não pelos seus interesses pessoais", respondeu Temer.

A decisão de Dilma de cancelar o pronunciamento foi, segundo fontes ligadas ao Planalto, devido ao risco de questionamentos na Justiça e pela avaliação de que a distribuição do vídeo pelas redes sociais teria mais eficácia política.

A presidente recorreu recentemente à Internet para se manifestar, após seus pronunciamentos em cadeia nacional terem gerado panelaços em várias cidades. Dilma recorreu recentemente à internet para se manifestar, após seus pronunciamentos em cadeia nacional terem gerado "panelaços" em várias cidades.

RPR/ots/rtr

Leia mais