1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
"América em primeiro lugar não significa América sozinha", disse Trump em Davos
"América em primeiro lugar não significa América sozinha", disse Trump em DavosFoto: picture-alliance/KEYSTONE/L.Gillieron

Em Davos, Trump defende EUA "aberto a negócios"

26 de janeiro de 2018

Presidente americano abranda discurso e assegura a bilionários e líderes políticos que agenda "EUA em primeiro lugar" não significa abandonar a cooperação internacional.

https://www.dw.com/pt-br/em-davos-trump-defende-eua-aberto-a-neg%C3%B3cios/a-42322947

O presidente americano, Donald Trump, usou seu discurso nesta sexta-feira (26/01) em Davos para defender sua política econômica, com declarações que pareciam tentar conciliar seu lema "Estados Unidos em primeiro lugar" com os apelos de outros líderes em defesa do livre-mercado e contra o protecionismo.

"América em primeiro lugar não significa América sozinha", disse Trump, a uma plateia de bilionários, executivos de multinacionais e líderes políticos. "Após anos de estagnação, os EUA vivem novamente um forte crescimento.O mundo vivencia o ressurgimento de uma América forte e próspera, aberta a negócios. Voltamos a ser competitivos."

Neste último dia de Fórum Econômico Mundial, Trump teve uma recepção majoritariamente fria entre o meio político na cidade suíça, mas muitos empresários e investidores manifestaram apoio às medidas econômicas tomadas até aqui por seu governo.

Leia também: Davos, um fórum cada vez mais político

Num jantar na quinta-feira, executivos de multinacionais europeias como Siemens, Total e Sap chegaram a parabenizar Trump por ter decidido cortar os impostos para o empresariado e anunciaram a intenção de investir mais nos EUA a partir de agora.

"Agora é a melhor hora para trazer seu dinheiro, seus empregos, seus negócios para a América", disse Trump, num discurso contido, mais brando que o habitual, em que defendeu que proteger os interesses nacionais pode ser compatível com um sistema global. 

A postura isolacionista de Trump gerou críticas, ainda que veladas, por parte de uma série de líderes em Davos, como o presidente francês, Emmanuel Macron, a chanceler federal alemã, Angela Merkel, o premiê canadense, Justin Trudeau, e o premiê indiano, Narendra Modi.

Em seu discurso, Trump reafirmou, porém, que os EUA não vão mais ignorar "práticas econômicas injustas" no comércio internacional. "Não podemos ter um comércio livre e aberto se alguns países exploram o sistema à custa de outros" disse o presidente. "Apoiamos o livre-comércio, mas é necessário que seja justo e recíproco."

"Vamos reforçar nossas leis de comércio e restaurar a integridade no sistema comercial. Apenas com o comércio justo e recíproco poderemos criar um sistema que funcione não apenas para os EUA, mas para todas as nações", disse Trump.

Segundo ele próprio afirma, seu trabalho já mostra resultados, como a criação de 2,4 milhões de empregos desde 2016 e o fato de que empresas como a Apple desejam investir bilhões na economia americana.

Ao mesmo tempo em que se opõe a tratados comerciais multilaterais envolvendo muitos países, Trump disse que seu país levará em consideração tratados bilaterais que sejam "mutuamente benéficos".

Isso poderia incluir países que assinaram a Parceria Transpacífica, da qual os Estados Unidos faziam parte antes que o atual governo se retirasse do acordo, no início do mandato de Trump.

Antes de subir ao palco para dar o primeiro pronunciamento de um presidente americano em Davos em 18 anos, Trump se gabou da "enorme plateia" que o aguardava no local. "Nunca vi uma multidão dessas", disse o presidente a repórteres. Ele afirmou ter a certeza de que seria "muito bem recebido" no local.

Mas os aplausos para o americano foram mais escassos do que os recebidos por outros líderes que estiveram no mesmo auditório. A plateia se manteve relativamente quieta durante seu discurso, aplaudindo-o com certa frieza ao final do pronunciamento.

RC/rtr/ap/afp

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App