Eduardo Bolsonaro critica ida de Lula a funeral do neto | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 02.03.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Eduardo Bolsonaro critica ida de Lula a funeral do neto

Filho do presidente classifica liberação do petista para ir a velório como absurda, dizendo que saída o deixa "em voga, posando de coitado". Postagem no Twitter gera críticas até de apoiadores do deputado.

Deputado Eduardo Bolsonaro

Deputado Eduardo Bolsonaro

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro, afirmou nesta sexta-feira (01/03) que a saída do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) da prisão em Curitiba para acompanhar o velório do neto só coloca o petista "em voga posando de coitado". Lula perdeu nesta sexta-feira o neto Arthur, de sete anos, vítima de uma meningite.

O comentário foi feito através de uma postagem no Twitter, em resposta a um usuário que publicou uma enquete para que seus seguidores opinassem sobre o tema. "Lula é preso comum e deveria estar num presídio comum", escreveu Eduardo. "Quando o parente de outro preso morrer, ele também será escoltado pela PF para o enterro? Absurdo até se cogitar isso, só deixa o larápio em voga posando de coitado."

A opinião – postada antes de a Justiça ter autorizado a liberação temporária de Lula – gerou duras críticas, inclusive de partidários do filho do presidente, que foi chamado, entre outras coisas, de insensível e acusado de explorar politicamente o episódio.

Na manhã deste sábado, o deputado federal voltou à rede social para complementar o tuíte do dia anterior e ponderar ser "lamentável e indesejável" a morte do menino.

"Perguntado se Lula deveria sair da cadeia respondi que não – até por uma questão de isonomia com os demais presos. Agora, sobre a morte da criança, é óbvio que é um fato lamentável e indesejável. Isso independe de ideologia. Não misturem as coisas", escreveu.

A Justiça autorizou o ex-presidente a deixar a prisão para ir ao velório de seu neto, Arthur Araújo Lula da Silva, em São Paulo. A defesa do petista fez o pedido de saída temporária com base na Lei de Execução Penal (LEP), que prevê que presos podem deixar as unidades para comparecer ao enterro de um parente próximo.

O neto de Lula, de 7 anos, morreu na manhã de sexta-feira devido a uma meningite meningocócica em Santo André, no estado de São Paulo. Arthur deu entrada no hospital Bartira às 07h20, com quadro instável, e faleceu às 12h11. Ele era filho de Sandro Luis Lula da Silva, filho do ex-presidente e da ex-primeira dama Marisa Letícia, que morreu em 2017.

MD/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais