Donald Trump promete acabar com ″Estado Islâmico″ | Notícias internacionais e análises | DW | 27.04.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Donald Trump promete acabar com "Estado Islâmico"

Em discurso sobre propostas para a política externa, magnata ataca gestão de Barack Obama e afirma que dias de grupo extremista estão contados. Aliados europeus de EUA também são alvos de críticas.

O pré-candidato republicano às eleições americanas Donald Trump criticou nesta quarta-feira (27/04) a política externa do presidente Barack Obama e prometeu, se for eleito, colocar a segurança dos Estados Unidos em primeiro lugar e acabar com o grupo extremista "Estado Islâmico" (EI).

O magnata acusou Obama de ter falhado na tentativa de derrotar o grupo extremista "Estado Islâmico" (EI) e de ter deixado a China se aproveitar dos Estados Unidos. O controverso pré-candidato republicano disse que a atual gestão democrata irá deixar um legado de fraqueza, confusão e desordem.

"Deixamos o Oriente Médio mais instável e caótico do que nunca", afirmou Trump, em um discurso, em Washington, no qual apresentou suas propostas para a política externa.

Assistir ao vídeo 01:57

Reações à sugestão de Trump contra muçulmanos

Trump disse que os dias do "Estado Islâmico" estão contados. "O EI desaparecerá se eu for eleito presidente. E desaparecerá rapidamente", afirmou o pré-candidato sem dar detalhes de como pretende alcançar esse objetivo.

O magnata prometeu ainda "sacudir a ferrugem da política externa dos Estados Unidos" e disse que irá procurar relações melhores com a China e a Rússia. Trump considera que os três países têm interesses em comum, citando como exemplo a preocupação russa com extremistas islâmicos.

O pré-candidato, que também criticou as políticas do último presidente republicano, George W. Bush, afirmou que usaria a força dos EUA comedidamente, fortalecendo as Forças Armadas americanas para acompanhar o ritmo dos programas militares chinês e russo.

"Não hesitarei em mobilizar a força militar quando não houver alternativa. Mas se a América lutar, deve lutar para vencer. Eu jamais enviarei o que temos de melhor para o campo de batalha a menos que seja necessário - e só o farei se tivermos um plano para a vitória", argumentou.

Trump criticou ainda os aliados europeus dos Estados Unidos na Otan e os asiáticos por não contribuírem com recursos financeiros suficiente para a defesa. "Gastamos trilhões de dólares em aviões, mísseis, navios, equipamentos e investimos nas nossas Forças Armadas para defender a Europa e a Ásia. Os países que defendemos devem pagar os custos da sua defesa, caso contrário, os EUA devem estar preparados para deixá-los se defender sozinhos", ameaçou.

O pré-candidato é o favorito à indicação do Partido Republicano, mas tem causado preocupação com suas declarações polêmicas. Com uma série de discursos sobre seu programa de governo, Trump tenta acalmar os eleitores republicanos.

CN/rtr/ap/afp/lusa

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados