Documentos revelam que Alemanha Ocidental tentou ″comprar reunificação″ | Página especial sobre a data da queda do Muro de Berlim | DW | 02.10.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Muro de Berlim

Documentos revelam que Alemanha Ocidental tentou "comprar reunificação"

Documentos nos EUA revelam que na década de 1960 a Alemanha Ocidental tinha planos de oferecer dinheiro à União Soviética em troca da reunificação alemã.

default

Erhard (centro) pediu a intermediação de Johnson em 1963

Documentos recém-disponibilizados nos Estados Unidos indicam que, na década de 1960, o então chefe de governo da Alemanha Ocidental, Ludwig Erhard, pensou seriamente em oferecer uma soma bilionária à União Soviética em troca da reunificação dos dois Estados alemães.

A informação foi publicada pela revista Der Spiegel neste sábado (1º/10), com base em documentos divulgados pela CIA e pela Secretaria de Estado em Washington. Os norte-americanos teriam sido inclusive cogitados como "potenciais mediadores" do que Washington chamou de "plano Erhard".

O governo soviético enfrentava problemas financeiros e por isso teria estado aberto a uma negociação, argumentou Erhard. Antes de ser chefe de governo, entre 1963 e 1966, ele foi ministro das Finanças e se tornou conhecido como o "pai do milagre econômico" alemão após a Segunda Guerra Mundial.

60 Jahre Danach - Bildgalerie - Berlin 07/20

Muro de Berlim só cairia em 1989

"Imaturo e irrealista"

Em outubro de 1963, o então chefe da Casa Civil da Alemanha Ocidental, Ludger Westrick, teria dito ao embaixador norte-americano em Bonn, George McGhee, que se pretendia pagar "2,5 bilhões de dólares ao ano, durante dez anos" pela reunificação do país.

Segundo os documentos, os diplomatas norte-americanos consideraram o plano "imaturo", e praticamente sem chance de concretização. O embaixador McGhee, segundo o semanário Spiegel, caracterizou a ideia de "séria ingenuidade política". Também a Secretaria de Estado teria achado o plano "irrealista".

Negativa norte-americana

Depois do assassinato de John F. Kennedy, Erhard teria se reunido com o recém-empossado presidente Lyndon B. Johnson em seu rancho no Texas, e sugerido que Johnson passasse a oferta a Nikita Khrushchev, então chefe de governo soviético. Segundo a Spiegel, Johnson teria reagido friamente, dizendo não ter a intenção de se encontrar com o líder soviético.

Mais tarde, o plano seria esquecido. Khrushchev perderia o poder em outubro de 1964, Johnson passaria a se concentrar nas eleições nos EUA, enquanto Inglaterra, França, Itália e Japão ofereceriam empréstimos à União Soviética.

A reunificação alemã acabaria se concretizando de forma pacífica em 3 de outubro de 1990.

RW/dpa/afp
Revisão: Soraia Vilela

Leia mais