1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Brasilien Michel Temer
Foto: Getty Images/AFP/S. Sa

Dispara reprovação do governo Temer, aponta Datafolha

11 de dezembro de 2016

Segundo pesquisa, 51% dos brasileiros consideram gestão do presidente ruim ou péssima, ante 31% em julho. Já 63% quer renúncia ainda este ano para realização de eleição direta.

https://www.dw.com/pt-br/dispara-reprova%C3%A7%C3%A3o-do-governo-temer-aponta-datafolha/a-36727074

Uma pesquisa do Datafolha divulgada neste domingo (11/12) pelo jornal Folha de S. Paulo apontou que a popularidade do presidente Michel Temer despencou desde julho. Segundo o levantamento, 51% dos brasileiros consideram a gestão do peemedebista ruim ou péssima, ante 31% em julho.

Os que veem o governo de Temer como regular caiu de 42% – durante a interinidade do peemedebista – para 34% na pesquisa atual. O levantamento foi feito entre 7 e 8 de dezembro, antes de virem à tona novos detalhes da delação premiada da Odebrecht com menções a Temer.

O levantamento mostrou, ainda, que a maioria da população brasileira (63%) é a favor da renúncia de Temer ainda neste ano para que seja realizada eleição direta. Os dados mostram que 27% dos entrevistados afirmaram ser contra a saída do peemedebista para esse fim, 6% se declararam indiferentes e 3% não souberam responder. 

Para que a população vá às urnas para votar em um novo presidente, seria necessário que Temer deixasse o cargo até 31 de dezembro. Se o peemedebista deixasse a Presidência depois do final deste ano, a eleição para os cargos de presidente e vice seria feita indiretamente pelo Congresso, 30 dias depois.

A parcela da população que, em julho, queria uma nova eleição direta é a mesma que a atual. Na época, uma pesquisa apontou que 62% defendiam a renúncia de Dilma e Temer para que se realizasse um novo pleito direto; 30% foram contra; 4% não sabiam e 4% se declararam indiferentes.

Cai a confiança na economia

A confiança da população na economia também caiu. Para 66%, a inflação vai aumentar; 19% apostam que ficará como está e 11% preveem a queda do índice. Já o aumento do desemprego é esperado por 67%. Outros 16% disseram que diminuirá e 14% acham que ficará estável.

Em relação ao poder de compra, 59% dizem que vai diminuir; 20% que não vai se alterar, e 15% que aumentará. Para 65%, a situação econômica brasileira piorou nos últimos meses, e se manteve como estava para 25%. Já 9% afirmaram que houve melhora.

Quanto à situação pessoal do entrevistado, a percepção de piora recente corresponde a 50% dos brasileiros. Para 38%, ficou tudo como estava e 10% disseram que melhorou.

No futuro próximo, 41% acreditam que a economia vai se deteriorar; 27%, que não vai se alterar e 28% apostam em melhora. Do ponto de vista pessoal, 27% aguardam pioras na própria situação econômica; 37%, melhoras; e 32% apostam em estabilidade.

O Índice Datafolha de Confiança caiu 98 pontos, em julho, para 87 – mesmo patamar registrado em fevereiro. 

Para 40%, gestão Temer é pior que Dilma

Os números da pesquisa apontaram, ainda, que para 40% da população a gestão Temer é pior do que a da ex-presidente Dilma Rousseff. Para 34% é igual, e 21% a consideram melhor. Em abril, um mês antes da petista ser afastada no início do processo de impeachment, Dilma registrou reprovação de 63%.

O índice de ótimo/bom de Temer caiu de 14% em julho para os atuais 10%. Não souberam avaliar o governo 5% dos entrevistados. 

Segundo o Datafolha, a população brasileira considera o presidente falso (65%), muito inteligente (63%) e defensor dos mais ricos (75%). Metade dos brasileiros vê Temer como autoritário, e 58% como desonesto.

De zero a dez, a nota média dada ao desempenho do governo Temer é 3,6. 

O Datafolha ouviu 2.828 pessoas com 16 anos ou mais. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

FC/ots