Dinamarca rejeita integração maior com União Europeia | Notícias internacionais e análises | DW | 03.12.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Dinamarca rejeita integração maior com União Europeia

Em referendo, dinamarqueses se recusam a adotar algumas leis do bloco, incluindo legislação destinada a combate de crimes transnacionais. Premiê admite derrota. Não recebeu mais de 53% dos votos.

Cartaz da campanha do não em Copenhague

Cartaz da campanha do não em Copenhague

Em um referendo, os dinamarqueses rejeitaram nesta quinta-feira (03/12) propostas para adotar algumas leis vigentes na União Europeia (UE). A medida visava uma integração maior do país no bloco e incluía a permanência na Europol (agência policial europeia). O "não" recebeu 53,1% dos votos contra 46,9% do "sim".

"É um não claro. Respeito totalmente a decisão dos dinamarqueses", disse o primeiro-ministro da Dinamarca, Lars Lokke Rasmussen, depois de fazer campanha pelo "sim". A votação contou com a participação de 72% dos eleitores.

A campanha pelo "não" foi liderada pelo eurocético Partido do Povo Dinamarquês, que possui a segunda maior bancada no Parlamento do país. "Os dinamarqueses estão dizendo sim para a cooperação, mas não para abdicar mais soberania para Bruxelas. Que noite fantástica", comemorou o líder do partido, Kristian Thulesen-Dahl.

No início da década de 1990, quando a União Europeia começou a transformação que resultaria em seu modelo atual, concessões foram feitas à Dinamarca, ao Reino Unido e à Irlanda para garantir suas participações no bloco. As isenções incluem leis específicas relativas à Justiça e a Assuntos Internos.

Em 1992, os dinamarqueses recusaram o tratado de Maastricht, que criou a UE nos moldes atuais, mas aprovaram um ano depois uma versão alternativa com exceções na política comum em quatro áreas, união monetária e econômica, defesa, cooperação policial e jurídica.

CN/rtr/afp/ap/lusa

Leia mais