Detenção de David Miranda ″incompatível″ com direito europeu | Notícias internacionais e análises | DW | 19.01.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Detenção de David Miranda "incompatível" com direito europeu

Apesar de considerar legal a retenção do brasileiro no aeroporto de Heathrow, em 2013, corte britânica reconhece contradição entre Lei de Terrorismo do Reino Unido e Convenção Europeia de Direitos Humanos.

David Miranda e Glenn Greenwald chegam ao Rio de Janeiro após detenção em 2013

David Miranda e Glenn Greenwald chegam ao Rio de Janeiro após detenção em 2013

A Corte de Apelação do Reino Unido considerou legal a detenção do brasileiro David Miranda, em agosto de 2013, no aeroporto de Heathrow, em Londres. O tribunal, no entanto, reconheceu a "incompatibilidade" entre a cláusula da Lei de Terrorismo sob a qual Miranda foi detido e a Convenção Europeia de Direitos Humanos, que protege a liberdade de expressão em relação a conteúdo jornalístico.

"É uma grande vitória para a democracia e para jornalistas do mundo inteiro. Demonstrou que a lei que dá poderes ilimitados aos oficiais e policiais precisa ser modificada. Material jornalístico e jornalistas não podem ser considerados terroristas", afirmou Miranda em entrevista ao jornal O Globo.

Em 2013, Miranda – companheiro do jornalista americano Glenn Greenwald, que publicou no The Guardian documentos secretos vazados pelo ex-agente da Agência de Segurança Nacional (NSA) dos EUA Edward Snowden – viajava de Berlim para o Rio de Janeiro quando foi detido em Londres.

O brasileiro foi enquadrado na legislação antiterrorista britânica. Ele teve seus pertences confiscados, incluindo cerca de 58 mil documentos eletrônicos, e ficou detido durante nove horas.

Miranda entrou na Justiça contra a detenção e, em fevereiro de 2014, a Alta Corte rejeitou a queixa. Ele, então, recorreu da decisão. A Corte de Apelação manteve o parecer do primeiro julgamento, porém, reconheceu a falha na legislação.

"O tribunal rejeita o argumento de Miranda de que o uso de poder contra ele foi injustificado e uma interferência desproporcional", afirmou o tribunal, sugerindo, no entanto, que a Lei de Terrorismo seja revista pelo governo britânico.

Greenwald comemorou o veredicto no Twitter, afirmando que a "Lei de Terrorismo viola direitos fundamentais por não proteger jornalistas".

CN/rtr/ap/afp/ots

Leia mais