Desemprego cai no Brasil e encerra 2019 em 11% | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 31.01.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Desemprego cai no Brasil e encerra 2019 em 11%

Taxa de pessoas desempregadas no último trimestre do ano atinge patamar mais baixo desde 2015, aponta IBGE. Por outro lado, trabalho informal aumenta e afeta mais de 41,4% da população ocupada, o maior índice desde 2016.

Desempregados em busca de trabalho em Campinas

Os números significam que o desemprego no país atingiu 11,6 milhões de pessoas

Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (Pnad), divulgados nesta sexta-feira (31/01) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), revelaram que o desemprego caiu no final de 2019, fechando o último trimestre em 11%, o menor patamar desde os últimos três meses de 2015.

Os números significam que o desemprego no país atingiu 11,6 milhões de pessoas, o que representa uma queda de 7,1% (883 mil pessoas) em relação ao trimestre anterior, encerrado em setembro. Também houve queda em relação ao mesmo trimestre de 2018.

A média anual do desemprego em 2019 ficou em 11,9%, recuando em relação a 2018, quando foi de 12,3%. Segundo o IBGE, na comparação com 2014 – que foi o ano com números mais baixos (6,8 milhões de desempregados) –, a população sem trabalho quase dobrou, crescendo 87,7% em quase cinco anos.

Também no ano, a média de pessoas desocupadas em 2019 foi de 12,6 milhões, um recuo de 1,7% em relação a 2018, o que equivale a 215 mil indivíduos.

Apesar de um aumento no número de trabalhadores com carteira assinada (1,8% no último trimestre), os dados revelam uma alta no trabalho informal, que atingiu seu maior contingente no país desde 2016, chegando a 41,4% da população ocupada (38,4 milhões de pessoas).

Os informais incluem trabalhadores sem carteira, domésticos sem carteira, empregador sem CNPJ, conta própria sem CNPJ e trabalhador familiar auxiliar.

Já entre os trabalhadores com carteira assinada, a alta foi de 1,1% entre os anos de 2018 e 2019, com a criação de 356 mil vagas no mercado. Essa tendência interrompeu a queda registrada entre 2015 e 2018, mas ainda foi inferior ao crescimento do trabalho informal.

No último trimestre de 2019, o total de trabalhadores por conta própria foi de 24,6 milhões de pessoas, número 3,3% maior do que o do último trimestre de 2018. Os trabalhadores sem carteira assinada somaram 11,9 milhões, ou seja, 367 mil pessoas a mais do que nos últimos três meses do ano anterior.

A maior cifra total de pessoas ocupadas se deu no setor industrial, com 3,3% (388 mil trabalhadores) a mais do que no final de 2018. O maior crescimento percentual foi registrado nas áreas de alojamento e alimentação, com 282 mil pessoas a mais (5,2%).

RC/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais