Desastres no Japão podem afetar abastecimento mundial de chips eletrônicos | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 20.03.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Desastres no Japão podem afetar abastecimento mundial de chips eletrônicos

Analistas afirmam que ainda é cedo prever as consequências para o mercado, mas existe a possibilidade de aumento nos preços dos aparelhos eletrônicos.

default

Japão é um dos principais fabricantes mundiais em TI

O terremoto que sacudiu o Japão em 11 de março último e deixou um rastro de destruição no país deve afetar também a indústria nacional de chips eletrônicos. Numerosos fabricantes japoneses pararam completamente a produção das peças – e ainda não há previsão para a retomada dos trabalhos. Poderá haver escassez de produtos eletrônicos no mercado mundial e aumento dos preços de componentes para aparelhos como computadores e telefones celulares.

Em um primeiro momento, as fábricas precisam avaliar os danos causados pelo terremoto, pois para a produção de chips é fundamental que os locais estejam livres de qualquer vestígio de pó. E inspeções como estas podem durar semanas, ou até meses.

Ao menor abalo de terra, as máquinas são logo interrompidas automaticamente, e a produção fica suspensa, segundo informa o jornal alemão Frankfurter Allgemeine. Apesar de nenhuma das fábricas de semicondutores do país ter sido destruída, as conseqüências do forte terremoto – que alcançou 9,0 pontos na Escala Richter – ainda precisam ser avaliadas por analistas e representantes das indústrias.

Erdbeben nachher Testbild

Consequências do terremoto foram devastadoras

Fora do Japão

"O terremoto deve trazer grandes consequências para essas indústrias no próximo trimestre", prevê Len Jelinek, observador de mercado da consultoria IHS iSupply. Mais enfático, Jim Handy, da Objetive Analyses, acredita que em curto prazo os preços podem subir substancialmente.

A Associação Federal alemã de Tecnologia da Informação, Telecomunicação e Novas Mídias (Bitkom) enxerga a situação com certa tranquilidade. "Muitas fábricas japonesas funcionam hoje em várias partes do mundo, produzindo fora do Japão, perto do seu mercado consumidor", afirma o presidente da entidade, August-Wilhelm Scheer.

Symbolbild Computer

Componentes japoneses são vitais para o mercado de eletrônicos

Alguns fabricantes e setores específicos poderão até sofrer dificuldades com seus estoques, mas o abastecimento em escala mundial não deve ser afetado. Ainda não se pode prever se haverá carência de equipamentos no mercado alemão.

A sueca Ericsson não enxerga para este primeiro trimestre nenhum efeito negativo do terremoto do Japão em seus negócios. Consequências no abastecimento de chips e componentes eletrônicos deverão aparecer, mas ainda é cedo demais para estimar suas dimensões.

Grandes contratos

Fabricantes japoneses de chips eletrônicos mantêm grandes contratos com outros fabricantes do setor e os fornecedores mais importantes do mundo. Eles respondem por um quinto de um total de 300 bilhões de dólares do faturamento do mercado. Empresas de telecomunicação também dependem dos fornecedores japoneses.

No ano passado, a Alemanha importou do Japão cerca de 1,8 bilhão de euros em produtos de alta tecnologia. Destes, 730 milhões de euros corresponderam a produtos da área de entretenimento, como aparelhos de televisão ou câmeras digitais. Outros 670 milhões foram para produtos de TI, como computadores, impressoras e periféricos, e os 430 milhões de euros restantes, para produtos de telecomunicação.

Deutschland Flash-Galerie IFA in Berlin Flachbild-Fernseher

Alemanha importou 730 milhões de euros em artigos japoneses de entretenimento, em 2010

Autor: Rolf Wenkel (msa)
Revisão: Augusto Valente

Leia mais