Desabamento de edifício deixa mortos na Índia | Notícias internacionais e análises | DW | 31.08.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Desabamento de edifício deixa mortos na Índia

Ao menos 22 pessoas morreram e outras 13 ficaram feridas em queda de prédio residencial em Mumbai. Causas do acidente ainda não foram esclarecidas. Esse é o segundo desabamento na cidade em menos de um mês.

Equipes de resgate buscam por sobreviventes nos escombros

Equipes de resgate buscam por sobreviventes nos escombros

Ao menos 22 pessoas morreram e outras 13 ficaram feridas nesta quinta-feira (31/08) após o desabamento de um edifício residencial na cidade de Mumbai, no oeste da Índia. O prédio foi construído há 117 anos e tinha seis andares.

"As operações de resgate continuam e não sabemos quantas pessoas que estão sob os escombros", disse o assessor do comissário de polícia local, M.G.Pote.

O acidente aconteceu por volta das 8h30 (horário local). O edifício residencial veio abaixo na área de Bhendi Bazar, no centro da capital financeira indiana. Apesar de as autoridades não se terem pronunciado sobre as causas do acidente, boa parte de Mumbai encontra-se inundada devido às fortes chuvas que caíram nos últimos dias na região.

Imagens difundidas por emissoras locais de televisão mostram dezenas de integrantes das equipes de resgate removendo com as mãos os escombros, ajudados por pelo menos um guindaste de grandes dimensões.

"Houve um estrondo forte. Não pudemos ver nada devido à fumaça e poeira. Quando ela baixou, percebemos que era um desabamento”, contou Amina Sheikh, uma testemunha que mora na região.

O desabamento é o segundo na cidade em menos de um mês. Em julho, 17 pessoas morreram e outras 14 ficaram feridas depois que um edifício de quatro andares caiu na região de Ghatkopar, no leste da cidade.

Os desabamentos são frequentes na Índia devido ao estado precário das infraestruturas e à falta de manutenção, fatores alimentados pela corrupção e práticas ilegais que dominam o setor da construção no país.

CN/rtr/lusa/efe

Leia mais