Deputados democratas dos EUA fazem carta contra Bolsonaro | Eleições 2018 | DW | 27.10.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Eleições 2018

Deputados democratas dos EUA fazem carta contra Bolsonaro

Dezoito legisladores pedem que secretário de Estado americano, Mike Pompeo, condene o presidenciável do PSL por encorajar a violência política, mostrar falta de compromisso com a democracia e atacar minorias.

Candidato à Presidência Jair Bolsonaro, com expressão séria

Candidato à Presidência Jair Bolsonaro

Em carta, dezoito deputados do Partido Democrata apelaram para que o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, condene o presidenciável do PSL Jair Bolsonaro por encorajar a violência política, mostrar falta de compromisso com a democracia e atacar minorias.

Os legisladores americanos, liderados pelo deputado Ro Khanna, da Califórnia, enviaram a Pompeo uma carta com data desta sexta-feira (26/10), em que chamam o candidato do PSL de um extremista de direita que, argumentam, está se beneficiando de uma campanha eleitoral marcada por "violência política" e "um dilúvio de notícias falsas e desinformação".

Eles afirmam que o candidato "regularmente elogia a ditadura militar do Brasil, foi acusado de discursos de ódio contra grupos de minorias e disse que não vai reconhecer o resultado das eleições, caso perca".

Os políticos americanos afirmam que uma eleição de Bolsonaro pode ter repercussões em toda a região e pedem que o secretário de Estado deixe claro para o governo brasileiro que "os Estados Unidos da América consideram essas posições inaceitáveis e que haverá consequências se Bolsonaro seguir adiante com as ameaças feitas durante a campanha presidencial".

O texto diz também que as ações de Bolsonaro "conflitam com eleições livres e justas" e afirma que o candidato "pediu a execução de seus oponentes e mais recentemente ameaçou prender líderes do Partido dos Trabalhadores e 'bani-los da pátria'". A carta também cita declaração realizada por um dos filhos do capitão reformado, Eduardo, em que ele ameaça o Supremo Tribunal Federal com "intervenção militar".

Os deputados americanos acusam Bolsonaro de se beneficiar "de uma campanha massiva de notícias falsas nas redes sociais, a qual supostamente recebeu milhões de dólares em financiamento ilícito de atores do setor privado".

Os legisladores pedem que o secretário de Estado e outros porta-vozes do governo dos EUA condenem "toda a violência política no Brasil" e tomem "uma posição firme em oposição a esse retrocesso", frisando que a cooperação dos EUA com o Brasil "depende da defesa, por seus líderes, dos direitos humanos básicos e dos valores democráticos".

MD/ots

_____________________________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp
App | Instagram | Newsletter

Leia mais