1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Bordel em Halle, no leste da Alemanha
Bordel em Halle, no leste da AlemanhaFoto: Getty Images/AFP/J. Schlueter
Sociedade

Deputados alemães querem o fechamento permanente de bordéis

Elliot Douglas jps
20 de maio de 2020

Estabelecimentos foram fechados temporariamente por causa da pandemia, e políticos querem aproveitar ocasião para banir de vez a compra de sexo no país, com adoção de "modelo nórdico" que penaliza clientes.

https://www.dw.com/pt-br/deputados-alem%C3%A3es-querem-o-fechamento-permanente-de-bord%C3%A9is/a-53517816

Políticos alemães pediram nesta terça-feira (19/05) que os bordéis do país sejam fechados por tempo indeterminado, na esteira do fechamento temporário devido a restrições impostas para conter a disseminação do novo coronavírus.

Dezesseis legisladores da União Democrata Cristã (CDU) e do Partido Social-Democrata (SPD) – os partidos que compõem a colizão de governo encabeçada pela chanceler federal Angela Merkel – enviaram uma carta aos 16 governos estaduais do país alertando que profissionais do sexo podem se tornar "superpropagadoras" do vírus.

A prostituição é legal na Alemanha, mas diferentes estados e cidades impõem regulações diferentes sobre onde e como profissionais do sexo podem atuar. Todos os bordéis do país foram fechados em março, após a imposição de medidas de distanciamento social para conter a pandemia de covid-19.

"Deveria ser óbvio que prostitutas podem se tornar 'superpropagadoras' epidemiológicas – as atividades sexuais são, via de regra, incompatíveis com as medidas de distanciamento social", diz a carta, divulgada pela agência de notícias DPA.

Entre os signatários estão o ex-ministro da Saúde Hermann Gröhe, filiado à CDU, e o sindicalista social-democrata Leni Breymaier, além do deputado e médico Karl Lauterbach.

A Alemanha poderia adotar o "modelo nórdico"?

Existem cerca de 33 mil profissionais do sexo registrados oficialmente na Alemanha, embora o governo calcule que o número real possa chegar a 400 mil. Embora a legislação introduzida em 2002 tivesse como objetivo melhorar as condições para a categoria, muitas dessas pessoas ainda vivem e trabalham em condições precárias e também são vítimas de tráfico humano ou escravidão moderna.

Na carta, os parlamentares alemães expressam esperança de que o fechamento dos bordéis possa ser uma chance de melhorar as oportunidades para profissionais do sexo na Alemanha.

"A reabertura dos bordéis não ajudará essas mulheres", diz a carta. "Em vez disso, elas precisam de aprendizado, treinamento ou um emprego seguro."

A carta pede ainda que a Alemanha aproveite a oportunidade para adotar o "modelo nórdico", que não proíbe a venda de sexo, mas prevê que a compra seja ilegal, transferindo o ônus para os clientes. Sob esse modelo, profissionais do sexo recebem ajuda e serviços para deixar o mercado da prostituição, como oportunidades para aprimorar sua educação. Na Alemanha, a maioria das profissionais do sexo vêm do Leste Europeu.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter