1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Raphael Warnock e Jon Ossoff
Raphael Warnock será o primeiro senador negro da Geórgia, e Jon Ossoff, o primeiro judeu a representar o estadoFoto: Mike Segar, Brian Snyder/REUTERS
PolíticaEstados Unidos

EUA: Democratas têm dupla vitória na Geórgia

7 de janeiro de 2021

Resultados são projetados com 98% dos votos apurados. Partido do presidente eleito Joe Biden terá metade do Senado, mais o voto de minerva da vice Kamala Harris.

https://www.dw.com/pt-br/democratas-conquistam-dupla-vit%C3%B3ria-na-ge%C3%B3rgia-e-ter%C3%A3o-controle-do-senado-dos-eua/a-56152605

O Partido Democrata venceu as duas cadeiras do Senado em disputa na Geórgia e, com elas, obteve a maioria no Senado dos Estados Unidos para a próxima legislatura. O resultado representa uma grande derrota para o presidente Donald Trump no turbulento final de seu mandato e aumenta a chance de sucesso da agenda do presidente eleito Joe Biden.

A vitória de ambos foi projetada pela agência de notícias Associated Press e pela emissora CNN na noite de quarta-feira (06/01), com 98% dos votos estimados contados.

Segundo a projeção, Jon Ossoff e Raphael Warnock, candidatos democratas que representaram a diversidade do partido, derrotaram os republicanos David Perdue e Kelly Loeffler, dois meses após Biden ter sido o primeiro candidato democrata a ganhar no estado desde 1992. Loeffler se recusa a reconhecer a derrota.

Warnock, que foi pastor da mesma igreja de Atlanta onde o líder do movimento de direitos civis Martin Luther King Jr. pregava, se tornou o primeiro americano negro da Geórgia a ser eleito para o Senado. E Ossoff será o primeiro senador judeu do estado e, com 33 anos de idade, o integrante mais jovem do Senado desde que Biden foi eleito senador em 1973.

A eleição na Geórgia era esperada para marcar o desfecho do atribulado processo eleitoral de 2020, apesar de o sucesso democrata no estado ter sido ofuscado pela invasão do Capitólio por apoiadores de Trump, o que impediu a certificação da vitória de Biden nesta quarta-feira.

As duas vagas da Geórgia asseguram aos democratas, com o apoio de dois senadores independentes, 50 assentos no Senado, o mesmo número dos republicanos, e a vice-presidente eleita Kamala Harris terá direito a um voto de minerva em votações que terminarem empatadas. Os democratas já têm a maioria na Câmara dos Representantes.

A eleição realizada na terça-feira foi um segundo turno, já que nenhum dos candidatos a uma vaga obteve mais de 50% dos votos, como prevê a legislação da Geórgia, no primeiro turno, em 6 de novembro.

BL/ap