Delta pode causar covid-19 mais grave, alerta agência americana | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 30.07.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Delta pode causar covid-19 mais grave, alerta agência americana

Documento interno do órgão de prevenção de doenças dos EUA indica que a variante delta do coronavírus é tão contagiosa quanto a catapora e pode ser transmitida mesmo por indivíduos vacinados. "A guerra mudou", diz CDC.

Profissionais de saúde em hospital em Seattle, EUA

Estudos mostraram que pessoas infectadas com a delta têm maior probabilidade de serem hospitalizadas

A variante delta do coronavírus é muito mais contagiosa, tem maior probabilidade de atravessar as proteções oferecidas pelas vacinas contra a covid-19 e é capaz de deixar os infectados mais gravemente doentes do que as outras versões conhecidas do vírus Sars-Cov-2.

Os dados constam de um documento interno do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC), obtido pelos jornais The Washington Post e The New York Times.

No início desta semana, a diretora da agência americana, Rochelle Walensky, já havia afirmado que indivíduos vacinados contra a covid-19 que se infectam com a variante delta podem transmitir o vírus da mesma forma que pessoas não vacinadas, segundo novos estudos.

No entanto, o documento interno do CDC apresenta uma visão mais ampla – e mais sombria – sobre essa variante, detectada pela primeira vez na Índia. O próximo passo imediato para a agência é "reconhecer que a guerra mudou", afirma o texto.

O relatório se baseia em vários estudos, incluindo uma análise sobre um surto recente de covid-19 em Provincetown, Massachusetts, que teve início após as festividades de 4 de julho, Dia da Independência dos Estados Unidos. Até esta quinta-feira (29/07), o surto já somava 882 casos da doença. Cerca de 74% dos infectados estavam vacinados, segundo autoridades de saúde locais.

Uma análise detalhada da propagação dos casos em Provincetown, que envolveu um meticuloso rastreio dos contatos das pessoas envolvidas, revelou que os infectados carregam enormes quantidades do Sars-Cov-2 no nariz e na garganta, independentemente de se estão vacinados ou não, afirma o documento do CDC.

O relatório da agência destaca ainda que a delta seria tão transmissível quanto o vírus da catapora, e mais do que os vírus que causam Mers, Sars, ebola, resfriado comum, gripe sazonal e varíola.

Uma infecção com essa variante também pode resultar em sintomas mais graves da doença, informa o documento. Estudos feitos no Canadá e na Escócia mostraram que pessoas infectadas com a delta têm maior probabilidade de serem hospitalizadas, enquanto pesquisas em Cingapura indicaram que é mais provável que elas necessitem de oxigênio.

Recentemente, o CDC recomendou que mesmo os americanos inteiramente vacinados voltem a usar máscaras protetoras, e esse recuo se baseou no documento interno obtido pela imprensa americana.

Vacinas altamente eficazes

Em tom de urgência, o relatório afirma que agora os esforços precisam se voltar a incentivar a vacinação. Os números do CDC mostram que as vacinas contra a covid-19 são altamente eficazes na prevenção de doenças graves, hospitalização e morte em pessoas inoculadas, frisam os especialistas no documento.

"Em geral, a delta é a variante problemática que já sabíamos que ela era", afirmou o virologista John Moore, da faculdade Weill Cornell Medicine, ao jornal New York Times. "Mas o céu não está caindo, e a vacinação ainda protege fortemente contra os piores resultados."

Em números absolutos, os Estados Unidos são o país mais gravemente afetado pela pandemia de coronavírus. Ao todo, mais de 34 milhões de americanos foram infectados, e mais de 612 mil morreram em decorrência da doença, segundo contagem da Universidade Johns Hopkins. Até agora, 49% da população do país foi completamente imunizada contra o vírus.

av,ek/lf (Reuters, ots)

Leia mais