Defesa de Lula recorre ao STJ para evitar prisão | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 30.01.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Defesa de Lula recorre ao STJ para evitar prisão

Em pedido de habeas corpus, advogados defendem que ex-presidente seja preso somente após esgotadas as possibilidades de recurso nas instâncias superiores. Petista foi condenado a 12 anos e um mês de prisão.

Lula

Após o julgamento, Lula declarou que a confirmação de sua condenação foi baseada numa mentira

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entrou nesta terça-feira (30/01) com um pedido de habeas corpus no Superior Tribunal de Justiça (STJ), a fim de evitar a prisão do petista após a análise do recurso que será julgado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4).

Leia também"Caso de Lula pode fazer STF rever prisão após 2ª instância"

Esse mesmo tribunal, na semana passada, confirmou a condenação de Lula por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, imposta pelo juiz Sérgio Moro, no processo que envolve a propriedade de um tríplex no Guarujá (SP). Ele ainda teve a pena aumentada de nove anos e seis meses para 12 anos e um mês de prisão.

Assistir ao vídeo 02:47

Trechos do julgamento de Lula no TRF-4

Apesar da confirmação da condenação em segunda instância, o ex-presidente ainda tem direito a recurso no TRF-4, mas apenas para esclarecer pontos da sentença.

Se o recurso for rejeitado, a sentença de prisão pode ser executada – no julgamento da semana passada, os desembargadores votaram para que a pena comece a ser cumprida depois que os recursos apresentados pela defesa à corte forem analisados.

A medida, no entanto, pode ser evitada por meio de uma liminar no STJ ou no Supremo Tribunal Federal (STF), o que justifica o pedido de habeas corpus apresentado pelos advogados de Lula.

No documento, a defesa pede que o ex-presidente somente seja preso após esgotadas as possibilidades de recurso nas instâncias superiores, o STJ e o STF, alegando que o cumprimento antecipado da pena é incompatível com o artigo 5º da Constituição Federal.

Leia tambémComo ficaria uma eleição sem Lula?

Segundo a imprensa brasileira, os advogados de Lula também defendem que a prisão do petista pode influenciar nas eleições para presidente, já que ele é um pré-candidato e tem liderado as sondagens de intenção de voto.

"A eventual restrição da liberdade do Paciente [Lula] terá desdobramentos extraprocessuais, provocando intensa comoção popular – contrária e favorável – e influenciando o processo democrático, diante de sua anunciada pré-candidatura à Presidência da República", diz a ação.

O pedido deve ser analisado pelo vice-presidente do STJ, ministro Humberto Martins, uma vez que a corte está em recesso e é ele quem está responsável por casos urgentes. O relator será o ministro Felix Fischer. Em seguida, a ação será examinada em conjunto pelos cinco ministros da Quinta Turma.

EK/abr/ots

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados