Dachau, cidadezinha bucólica e palco de tragédia | Conheça os destinos turísticos mais famosos da Alemanha | DW | 15.01.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Turismo

Dachau, cidadezinha bucólica e palco de tragédia

A pequena Dachau, a poucos quilômetros de Munique, é uma das cidades alemãs mais conhecidas no exterior. Sua fama decorre, contudo, da tragédia vivida ali por judeus e opositores ao regime nazista.

default

O cinismo nazista no portão: 'O trabalho liberta'

Menos de dois meses depois de assumir o governo, em janeiro de 1933, Hitler mandou construir o primeiro campo de concentração. O complexo de Dachau foi usado primeiramente para prender adversários políticos. A partir de 1935, testemunhas de Jeová, homossexuais e presos já condenados também passaram a ser enviados ao campo.

Três anos depois, prisioneiros judeus, principalmente do oeste e do sul da Alemanha, passaram a ser transportados para Dachau. Segundo os livros de registro, 206 mil pessoas estiveram encarceradas ali durante o período da ditadura nazista.

Befreites KZ Dachau

Soldados americanos diante de um portão do campo de concentração de Dachau

O campo de concentração de Dachau foi também o primeiro a ser libertado pelas tropas aliadas. Em 29 de abril de 1945, soldados americanos encontraram ali 32 mil sobreviventes, em condições inteiramente desumanas.

Memória das vítimas

Logo após a guerra, o campo começou a ser demolido. Mas decidiu-se, em seguida, que deveria ser preservado pelo menos parcialmente, sendo transformado num monumento em memória das vítimas do nazismo. Hoje, o complexo é visitado por centenas de milhares de turistas a cada ano.

Entra-se no campo por uma passagem entre fossos e altos muros, com torres de vigia e arame farpado. O roteiro da visita começa pelo museu, em cujo saguão um painel localiza os principais campos de concentração construídos pelos nazistas na Europa. A quantidade surpreende.

Konzentrationslager Dachau 1945: Quelle: Gedenkstätte Dachau

Cerca de 32 mil pessoas sobreviveram às torturas de Dachau

No edifício central, que originalmente abrigava cozinha, lavanderia, armazéns e sala de torturas, hoje está instalada uma exposição que conta a história do campo: os antecedentes da implantação do Terceiro Reich; a chegada de Hitler ao poder; a perseguição dos judeus; a construção do campo de Dachau; a admissão e classificação dos presos; a vida, os castigos e os trabalhos no campo de concentração.

Exposição

A exposição mostra os experimentos médicos feitos no campo de Dachau e o transporte de inválidos para serem mortos em câmaras de gás de outros campos. No final da mostra, pode-se ver imagens que documentam a libertação dos prisioneiros sobreviventes pelos soldados americanos.

O acervo é composto por jornais, panfletos, fotos, livros, documentos, cartas de prisioneiros, roupas e objetos diversos. Na sala de audiovisual, os visitantes podem assistir a um filme documentário sobre o período nazista e os horrores no campo de concentração de Dachau.

Holocaust Ausstellung in Berlin - Skulptur Inferno

A escultura 'Inferno', do artista Fritz Kölle, faz parte do acervo do memorial de Dachau

Do lado externo do edifício central está o monumento às vítimas do nazismo: não só judeus, mas também adversários políticos (principalmente comunistas), sacerdotes e outros inimigos do Estado nazista. A lista oficial indica que quase 32 mil pessoas morreram no campo, mas nela não estão incluídos seis mil soldados soviéticos e centenas de presos fuzilados às vésperas da chegada das tropas americanas.

Cinismo nazista

Do monumento pode-se caminhar até o portão de grades, na única entrada original do campo. Nele permanece ainda hoje o cínico lema dos campos de concentração nazistas: "O trabalho liberta" ( Arbeit macht frei).

Muitos presos eram cedidos como mão de obra gratuita para as indústrias da região ou para os serviços de limpeza de ruas em Dachau.

A maior parte do terreno do campo era ocupado por 30 alojamentos, duas enfermarias e uma cantina. Nenhum desses prédios foi preservado depois da guerra. Mas dois deles foram reconstruídos posteriormente para mostrar aos visitantes as condições em que viviam os prisioneiros. A área dos demais está apenas demarcada e uma foto panorâmica mostra como era o campo originalmente.

Câmaras de gás

Dachau

Muitos prisioneiros foram assassinados pouco antes da chegada das forças aliadas

Do outro lado do campo estão os memoriais católico, evangélico e israelita. À esquerda, chega-se aos crematórios, construídos em 1940 e 1942 para os prisioneiros mortos no campo de Dachau.

Ali também se pode visitar as câmaras de gás disfarçadas de chuveiros coletivos, para o extermínio em massa. As câmaras de Dachau, contudo, nunca chegaram a ser usadas.

A cidade

Após a visita ao campo de concentração, recomenda-se um passeio pelo centro da cidadezinha de Dachau. Localizada sobre um morro, nos dias de bom tempo tem-se de lá uma bela visão panorâmica dos Alpes bávaros.

No centro histórico da cidadezinha, a atração é o antigo palácio em estilo renascentista, construído no século 16 e que foi residência de duques e condes. No século 19, as tropas de Napoleão Bonaparte causaram grandes danos ao palácio. Das quatro alas originais, restou apenas uma, onde se encontra o cômodo mais interessante, o salão de festas, com um teto em madeira esculpida.

No início do século 20, antes que a tragédia marcasse a cidade, Dachau acolheu uma importante colônia de pintores impressionistas, atraídos pela beleza da paisagem ao seu redor. Várias obras desse período podem ser apreciadas hoje em museus e galerias da Baviera.

Leia mais

Links externos