1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Mulher observa uma tela de computador com dois modelos de moedas
Croácia apresentou nova moeda de um euro, enquanto se prepara para se tornar o 20º país da UE a aderir à moedaFoto: Zeljko Lukunic/PIXSELL/picture alliance
EconomiaCroácia

Croácia deve entrar na zona do euro em 2023

1 de junho de 2022

Menos de dez anos após ingressar na União Europeia, croatas receberam luz verde da Comissão Europeia para aderir à moeda comum, tendo cumprido todos os requisitos, como inflação e taxas de câmbio estáveis.

https://www.dw.com/pt-br/cro%C3%A1cia-deve-entrar-na-zona-do-euro-em-2023/a-62002531

A partir de janeiro de 2023, a Croácia deve se tornar o 20º país a adotar o euro como moeda, menos de dez anos após ingressar na União Europeia (EU). A Comissão Europeia anunciou nesta quarta-feira (01/06) que Zabreb cumpriu todos os critérios para ingressar na eurozona.

"Hoje a Croácia deu um passo significativo para a adoção do euro, nossa moeda comum", disse a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, ressaltando que a adesão à moeda única "tornará a economia da Croácia mais forte, trazendo benefícios aos seus cidadãos, empresas e sociedade em geral", além de "fortalecer também o euro".

O Parlamento Europeu e os 27 Estados-membros do bloco ainda precisam aprovar a adesão. Uma decisão final é esperada na primeira quinzena de julho. De acordo com a avaliação da Comissão Europeia, não deve haver dificuldades para a aprovação.

Um relatório publicado pelo Banco Central Europeu também concluiu que a Croácia cumpre os requisitos para a adoção do euro. Na cotação atual, um euro vale 7,57 kunas, a moeda nacional croata.

Nem todos os países do bloco utilizam o euro

Embora a União Europeia tenha 27 Estados-membros, apenas 19 utilizam o euro como moeda comum. O estatuto do bloco exige a adoção da moeda por todos os países aptos, com exceção da Dinamarca.

No entanto, os Estados-membros devem primeiro cumprir uma série de condições jurídicas e econômicas, incluindo um baixo déficit público, estabilidade das taxas de câmbio e inflação estável em relação aos valores de referência da UE – exigências cumpridas agora pela Croácia, que ingressou no bloco em 2013.

Além da Croácia, a Dinamarca, Bulgária, Suécia, Romênia, Hungria, Polônia e República Tcheca mantêm suas moedas nacionais. O último país a adotar o euro como moeda comum foi a Lituânia, em 1º de janeiro de 2015. Após a Croácia, a Bulgária deve ser a próxima, uma meta que espera alcançar até janeiro de 2024.

Otimismo e preocupação

Von der Leyen afirmou que, 20 anos após a introdução das primeiras notas, o euro tornou-se uma das moedas mais importantes do mundo e melhorou a vida de milhões de cidadãos em toda a União Europeia. "O euro é um símbolo da força e unidade europeia", destacou.

Na Croácia, o turismo em particular aguarda com grande expectativa a introdução do euro. O país, que conta com uma longa costa no mar Adriático, muitas baías e ilhas pitorescas, depende fortemente do turismo.

Ao mesmo tempo, muitos temem que o custo de vida possa aumentar drasticamente em decorrência da conversão para a moeda comum europeia.

le/av (Reuters, AFP, DPA, ots)