Críticos acusam ministro de confundir metas políticas com interesses econômicos | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 17.03.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Críticos acusam ministro de confundir metas políticas com interesses econômicos

Depois do ministro do Exterior, Guido Westerwelle, agora é Dirk Niebel, responsável pela pasta da Cooperação Econômica, a ser acusado de confundir metas políticas de longo alcance com interesses econômicos.

default

Dirk Niebel, ministro alemão da Cooperação Econômica

O ministério alemão encabeçado desde outubro de 2009 por Dirk Niebel se chama "da Cooperação Econômica e Desenvolvimento" (BMZ, na sigla em alemão). Porém, para muitos, as ligações do político do Partido Liberal Democrático (FDP) com o empresariado são estreitas demais.

Antes de partir em visita ao Vietnã e o Camboja, no início de março, Niebel anunciou que sua meta principal era favorecer os investimentos de firmas alemãs naqueles países do Sudeste Asiático. E que vê, como sua missão, criar um bom clima para a cooperação econômica com países emergentes como a Indonésia ou a Índia.

Lucrar com os mais pobres?

"Trata-se, antes, de incentivo à economia alemã", criticam figuras-chave no setor, colocando em dúvida que isso seja ajuda ao desenvolvimento.

Ulrich Post, presidente da Venro, uma confederação de 120 ONGs alemãs, mostra-se extremamente cético: "Não me ocorre qual empresa alemã poderia investir em Burkina Fasso ou Mianmar, ou em outros países realmente pobres, e ainda assim conseguir transferir lucros para casa. Acho que às vezes o ministro exagera no liberalismo".

Na Alemanha, a cooperação econômica faz parte da política de desenvolvimento – da mesma forma que outros setores, como a ajuda humanitária. Porém os críticos temem que o trabalho de cooperação para o desenvolvimento venha ser reduzido ao nível puramente econômico, e remanejado para beneficiar indiretamente a indústria alemã.

Caos organizado

Segundo o parlamentar verde Uwe Kekeritz, o aspecto econômico simplesmente não pode estar no centro das atenções. "Não sou contra as contribuições à cooperação para o desenvolvimento refluírem para a Alemanha. Porém a motivação deve ser o interesse do país em questão, e não o das multinacionais."

Igualmente na mira dos críticos encontram-se os planos de redução de gastos do político liberal-democrata: Niebel colocou publicamente em questão a meta de, até 2015, elevar a ajuda alemã ao desenvolvimento até 0,7% do PIB. Sua argumentação é de que "eficácia é mais decisiva do que volume".

Akzeptanz durch Transparenz

Ulrich Post (e), da Venro, ao lado de deputada Karin Roth

Tais declarações do ministro provocam incerteza e irritação entre seus compatriotas e não levam a uma discussão construtiva, condena Karin Roth, representante do Partido Social Democrático (SPD) na comissão parlamentar alemã para política de desenvolvimento.

"Isso é um caos organizado da parte dele [Niebel], que não fomenta a confiança na política de desenvolvimento na Alemanha. As pessoas aqui são muito abertas, elas doam muito e aceitam nossa política e a cooperação econômica. [...] Por isso é uma pena enorme que, com coisas tão simples mas que mais tarde serão suprimidas, no final das contas se semeie inquietação entre os alemães".

Palavra de Merkel

Além disso, manter o objetivo de 0,7% não é uma decisão que o ministro possa tomar sozinho, prossegue Roth. Assim como outros países, a Alemanha está comprometida com acordos internacionais. Como, por exemplo, as Metas de Desenvolvimento do Milênio, aprovadas por 189 nações numa cúpula da ONU de setembro de 2000. Nelas, os doadores – as nações industrializadas – se comprometem a investir mais na cooperação para o desenvolvimento mundial.

Dentre os alvos da Declaração do Milênio, consta a redução à metade da pobreza no mundo, o combate a doenças, a garantia do acesso a água potável e à educação. Com este fim, os Estados da União Europeia lançaram um plano em etapas, que vincula à meta de 0,7% do PIB todos os países filiados ao bloco antes de 2002.

Um ministro não tem o direito de simplesmente ignorar obrigações dessa ordem, insiste Karin Roth. Afinal de contas, a própria chefe de governo da Alemanha, Angela Merkel, assegurou no Parlamento que pretende manter as metas de desenvolvimento e os acordos internacionais. "E, no fim, o que conta é a palavra da chanceler federal", pontificou a política social-democrata.

Autor: Hicham Driouich (av)
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais