Covid-19 cresce de maneira perigosa no Brasil, alerta agência da OMS | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 23.03.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

América Latina

Covid-19 cresce de maneira perigosa no Brasil, alerta agência da OMS

Organização Pan-Americana da Saúde afirma que "a terrível situação" no país está afetando também as nações vizinhas, e urge aos brasileiros que adotem medidas restritivas para conter a disseminação do vírus.

Hospital de campanha montado num ginásio em Santo André, na Grande São Paulo

Variante brasileira já chegou a 15 nações das Américas e se tornou grande preocupação, diz entidade

O coronavírus está crescendo de maneira "perigosa" no Brasil, alertou a diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), Carissa Etienne, nesta terça-feira (23/03). Ela pediu a todos os brasileiros que adotem medidas preventivas para conter a disseminação da doença.

"Infelizmente, a terrível situação no Brasil também está afetando os países vizinhos", afirmou a chefe da Opas, organização que atua como braço da Organização Mundial da Saúde (OMS) nas Américas e faz parte dos sistemas da Organização dos Estados Americanos (OEA) e da ONU.

Os casos de covid-19 cresceram em estados da Venezuela que fazem fronteira com o Brasil, bem como nas regiões fronteiriças do Peru e da Bolívia. Também na parte inferior da América do Sul o número de infecções segue em ascensão, como no Chile, Paraguai e Uruguai.

No Paraguai, a maioria dos leitos das unidades de terapia intensiva (UTI) está ocupada, e o sistema de saúde está sob pressão. O Uruguai notificou mais de mil novos casos diários várias vezes nas últimas semanas, um número alarmante devido ao tamanho e à população do país.

"O vírus da covid-19 não está retrocedendo, nem a pandemia está começando a desaparecer", alertou Etienne, num momento em que o Brasil bate recordes de média móvel de mortos pela doença.

Pelo menos 15 países das Américas já detectaram casos da variante brasileira do coronavírus, que se tornou um grande motivo de preocupação, disse o gerente de incidentes da Opas, Sylvain Aldighieri. Especialistas afirmam que a mutação P1, identificada pela primeira vez em Manaus, é mais contagiosa do que a cepa original do Sars-Cov-2.

O Brasil superou 12 milhões de infecções pelo coronavírus e se aproxima da marca de 300 mil óbitos relacionados à covid-19, tornando-o o segundo país mais atingido pela pandemia no mundo, depois dos Estados Unidos. Na segunda-feira, o Brasil bateu pelo 24º dia consecutivo o recorde da média móvel de mortes.

Pandemia na América Latina

De acordo com dados compilados pela agência de notícias Reuters, a América Latina e o Caribe registraram cerca de 23,7 milhões de casos de coronavírus e 746 mil mortes relacionadas à covid-19 – quase o dobro dos números de vítimas da Ásia e da África somados.

A iniciativa Covax – liderada pela OMS em cooperação com a Aliança Mundial para Vacinas e Imunização (Gavi) – visa fornecer acesso equitativo às vacinas e entregou 2.161.800 doses para a região até agora, incluindo mais de 1 milhão de doses para o Brasil, que chegaram no último fim de semana.

"As vacinas estão chegando, mas ainda estão a muitos meses de distância da maioria das pessoas na nossa região", afirmou a chefe da Opas, Etienne.

pv/ek (AFP, Reuters)

Leia mais