Coreia do Norte diz que prendeu americano por subversão | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 03.05.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Coreia do Norte diz que prendeu americano por subversão

Professor universitário é acusado de cometer atos hostis contra o regime de Kim Jong-un e foi detido em abril em aeroporto ao tentar embarcar para o exterior. Ele é o terceiro americano preso no país.

Prisão ocorre em momento de tensão, com constantes testes balísticos realizados pelo regime de Kim Jong-un

Prisão ocorre em momento de tensão, com constantes testes balísticos realizados pelo regime de Kim Jong-un

A Coreia do Norte afirmou nesta quarta-feira (03/05) que o professor americano detido na semana passada ao tentar deixar Pyongyang é acusado de atos criminosos com o objetivo de "subverter o país". O regime, porém, não detalhou em que tipos de atividade ele se engajou. 

Segundo a agência estatal de notícias KCNA, o professor da Universidade de Ciência e Tecnologia de Pyongyang, identificado como Kim Sang-duk, foi detido no aeroporto internacional da capital norte-coreana no dia 22 de abril.

"Ele foi interceptado por cometer atos criminosos de hostilidade destinados a derrubar a República Democrática Popular da Coreia [nome oficial da Coreia do Norte] não somente no passado, mas também durante sua última estadia antes da detenção", afirma a nota divulgada pela KCNA.

O americano, que também utiliza o nome Tony Kim, continua detido. A Universidade de Ciência e Tecnologia de Pyongyang descartou que a prisão de seu funcionário tenha uma relação com seu trabalho na instituição.

A prisão de Kim foi anunciada no dia 23 de abril pelas autoridades de Seul, enquanto a universidade confirmou que a detenção ocorreu quando ele estava prestes a deixar o país após ter atuado como professor. O regime norte-coreano, porém, ainda não tinha confirmado a informação.

Anteriormente, Kim lecionou na Universidade de Ciência e Tecnologia de Yanbian (YUST), localizada em Yanji, próximo à fronteira chinesa com a Coreia do Norte. O centro de ensino é financiado com fundos dos EUA e da China.

Este é o terceiro cidadão americano preso na Coreia do Norte. Os outros dois detidos são Kim Dong-chul, capturado na fronteira com a China acusado de espionagem; e o estudante Otto Warmbier, que tentou roubar um cartaz de propaganda no hotel de Pyongyang, onde estava hospedado como turista.

Kim Dong-chul, de 62 anos, cumpre uma pena de 10 anos de detenção e trabalhos forçados, e Warmbier, de 22 anos, detido em janeiro de 2016, recebeu uma pena de 15 anos de prisão e trabalhos forçados.

A prisão ocorre num momento de grande tensão na península coreana, diante dos repetidos testes balísticos de Pyongyang.  Existe a suspeita de que o regime norte-coreano use o americano como moeda de troca em negociação com os EUA, como fez em ocasiões anteriores.

Desde 2006, a Coreia do Norte já realizou cinco testes atômicos, dois deles só no ano passado. O regime de Pyongyang também trabalha atualmente no desenvolvimento de mísseis de longo alcance, que poderiam levar cujas ogivas nucleares até os EUA.

CN/efe/lusa/ap/rtr

Leia mais