Conservadores prometem alívio tributário de 15 bilhões de euros na Alemanha | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 28.08.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Conservadores prometem alívio tributário de 15 bilhões de euros na Alemanha

Há muito, fisco e caixas sociais alemãs não iam tão bem, com aumento constante das arrecadações. Líder de bancada cristã vai além das promessas de não aumentar impostos, acenando com alívios na próxima legislatura.

Volker Kauder, líder da bancada da CDU/CSU no Parlamento alemão

Volker Kauder lidera a bancada da CDU/CSU no Parlamento alemão

O chefe da bancada parlamentar da União Democrata Cristã e União Social Cristã (CDU/CSU), Volker Kauder, anunciou para a próxima legislatura um considerável redução da carga tributária do contribuinte alemão, em torno dos 15 bilhões de euros. Os principais beneficiados deverão ser as famílias e os pequenos e médios assalariados, observou em entrevista à edição deste domingo (28/08) do jornal Bild am Sonntag.

Nos últimos anos, as arrecadações do Estado e das caixas sociais da Alemanha vêm crescendo continua e fortemente. Em consequência, acumulam-se as reivindicações de que cidadãos e empresas também possam se beneficiar dessa bonança.

Até o momento, porém, o ministro das Finanças, o também democrata cristão Wolfgang Schäuble, tem sido parcimonioso com qualquer tipo de concessão. Até 2020 ele quer manter um "zero sólido", com os gastos públicos abaixo das arrecadações, prometendo, no máximo, que não haverá um acréscimo dos encargos.

Presumivelmente de olho nas eleições gerais de 2017, seu colega de partido Kauder promete agora aos eleitores que manterá sua palavra e que eles podem acreditar na promessa de que não haverá um aumento de impostos.

Na sexta-feira, o presidente do Partido Liberal Democrático (FDP), Christian Lindner, declarara à agência de notícias DPA que o Estado alemão estaria em condições de aliviar seus contribuintes em 20 bilhões a 30 bilhões de euros, nos próximos anos. O FDP perdeu sua representação no Parlamento em 2013, mas tem esperanças de retornar em 2017.

AV/afp,rtr,dpa

Leia mais