Conservadores de Merkel lideram eleições europeias na Alemanha | Notícias internacionais e análises | DW | 25.05.2014
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Conservadores de Merkel lideram eleições europeias na Alemanha

Apesar de ligeiras perdas, democrata-cristãos mantêm liderança. Ultradireita sai vitoriosa na França, segundo estimativas. Votação deve confirmar crescimento significativo de eurocéticos na Grécia, Reino Unido e Áustria.

De acordo com pesquisas de boca de urna deste domingo (25/05), os democrata-cristãos da aliança política da chanceler federal alemã, Angela Merkel, saíram como vencedores das eleições para o Parlamento Europeu na Alemanha, mantendo-se como maior força política do país. Em diversas nações vizinhas, entretanto, as legendas governistas foram punidas nas urnas.

Os partidos eurocríticos conseguiram obter alto índice de votos. Na França, a agremiação de extrema direita Frente Nacional sai, pela primeira vez, como maior força. Na Grécia, a Coligação da Esquerda Radical (Syriza), hostil a Bruxelas, também teria conquistado o posto de partido mais forte, segundo previsão.

Na Alemanha, um destaque foi a votação dos eurocríticos moderados da Alternativa para a Alemanha (AfD), fundada no ano passado, que atingiu 6,6%, conforme bocas de urna. A União Democrata Cristã (CDU) de Merkel apresentou perdas de quase dois pontos percentuais em comparação a 2009, mas se manteve na frente, com mais de 36%.

Os social-democratas do SPD ganharam força, alcançando cerca de 27,5% (contra os 20,8% de 2009). Já os Verdes caíram ligeiramente, obtendo cerca de 10,8%. O partido A Esquerda praticamente igualou o resultado anterior, com algo entre 7,5% e 7,8%, enquanto os liberais do FDP obtiveram cerca de 3% (contra 11% de cinco anos atrás).

Pela primeira vez desde 1979, o comparecimento às urnas não foi menor do que na votação anterior. Segundo o Parlamento Europeu, 43,1% dos cidadãos dos 28 países da UE participaram do pleito – resultado praticamente idêntico ao de cinco anos atrás, quando houve comparecimento de 43% dos eleitores. Eles deverão definir os nomes que ocuparão as 751 cadeiras do Parlamento pelos próximos cinco anos.

Os alemães registraram o maior comparecimento às urnas, de 48%, consideravelmente maior do que em 2009. Na França e em Portugal também foi registrada uma participação alta. No entanto, poucos cidadãos atenderam à convocação para votação no Leste Europeu.

Resultado histórico para Frente Nacional

Na França, pesquisas de boca de urna dão a vitória à Frente Nacional (FN), de extrema direita. Pela primeira vez, a legenda liderada por Marine Le Pen sai de uma votação no país como o partido mais votado. Uma triunfante Le Pen reivindicou já na noite de domingo, antes mesmo da divulgação dos resultados oficiais, a dissolução do Parlamento e conclamou novas eleições no país.

De acordo com as sondagens, a agremiação obteve entre 24% e 25%, o que pode ser o resultado mais elevado em toda a Europa de um partido anti-União Europeia e anti-imigração. A FN ficou à frente dos conservadores da União para uma Maioria Popular (UMP), com 20%, e do Partido Socialista francês (PS), do presidente François Hollande, que ganhou pouco mais de 14% dos votos. Nas últimas eleições europeias, a FN havia conseguido somente 6,3%.

EU Parlamentswahl 25.05.2014 Frankreich Front National

Marine Le Pen: Frente Nacional comemora votação recorde

Partidos eurocéticos alcançaram ganhos significativos na Grécia, no Reino Unido e na Áustria, segundo estimativas. Na Grécia, a Syriza teria vencido a eleição, chegando à frente do conservador Nova Democracia (ND), do primeiro-ministro Antonis Samaras. Os social-democratas, que governam em coalizão com o ND, teriam obtido apenas o quarto lugar, atrás do partido neonazista Aurora Dourada.

No Reino Unido, o UK Independence Party (Ukip), liderado pelo carismático Nigel Farage, que defende a saída do país da UE e a limitação para a entrada de imigrantes, deve registrar o maior crescimento de votos da história da legenda, tirando vários assentos tanto do governo quanto da oposição britânica.

Na Áustria, a agremiação de extrema direita Partido da Liberdade Austríaca (FPÖ), teria obtido cerca de 20%, em torno de sete pontos percentuais a mais em relação a 2009. Isso significaria um terceiro lugar, atrás do conservador Partido Popular Austríaco (VP) e dos social-democratas do SP, que governam o país em coalizão.

Já na Holanda, o anti-islâmico e nacionalista Partido para a Liberdade (PVV), de Geert Wilders, amargou perdas de eleitores. Surpreendentemente a legenda só deverá obter cerca de 12% dos votos, ficando em quarto lugar, conforme sondagem do instituto Ipsos.

MD/afp/lusa/rtr

Leia mais