1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Armin Laschet, candidato da centro-direita
Armin Laschet, candidato da centro-direitaFoto: Michael Kappeler/dpa/picture alliance

Conservadores alemães registram pior resultado da história

26 de setembro de 2021

Partido de Angela Merkel não consegue transferir popularidade dela para o candidato Armin Laschet. Mas, mesmo derrotado, ele ainda quer ser chanceler federal.

https://www.dw.com/pt-br/conservadores-alem%C3%A3es-registram-pior-resultado-da-sua-hist%C3%B3ria/a-59315912

A conservadora União Democrata Cristã (CDU, centro-direita) recuperou terreno na reta final da eleição alemã, quase empatando com seu principal rival, o Partido Social-Democrata (SPD, social-democrata) na votação deste domingo (26/09), segundo o resultado oficial preliminar, que dá 25,7% dos votos para o SPD e 24,1% para a CDU.

A CDU ainda tem chances de manter a chancelaria federal a depender dos resultados da fase de negociações para a formação de coalizões de governo. 

Ainda assim, os 24,1% conquistados pelo partido representam o pior resultado nacional da história da legenda conservadora e de seu braço bávaro, a União Social Cristã (CSU), fundadas em 1945, logo após a Segunda Guerra Mundial. 

"Não podemos ficar satisfeitos com o resultado", disse o candidato da legenda à chancelaria, Armin Laschet após a divulgação das primeiras parciais.

Já o secretário-geral do partido, Paul Ziemiak, lamentou o que descreveu como "perdas amargas" para a CDU/CSU. 

"Faremos de tudo para formar um grupo conservador no governo, porque a Alemanha precisa de uma coalizão voltada para o futuro que modernize nosso país", completou Laschet, indicando que não deseja que CDU/CSU volte para a oposição após 16 anos de governo Merkel.

Conservadores foram responsáveis por comandar governos durante 52 dos 72 anos que decorreram desde a fundação da República Federal da Alemanha. 

O resultado é ainda mais desolador porque a chanceler federal Angela Merkel, da CDU, registra índices de aprovação pessoal que beiram os 80% na Alemanha. No pleito de 2017, a legenda havia conquistado pouco mais de 32% dos votos, já distante dos tempos áureos em que conquistava facilmente mais de 40% do eleitorado.

Culpa de Laschet?

Para alguns, a culpa dos maus resultados deste ano foi do candidato. Laschet, atual líder da CDU, chegou a largar na frente das pesquisas, registrando índices confortáveis acima dos 30%. Mas uma série de gafes e declarações controversas acabaram minando sua campanha

Governador do estado da Renânia-Vestfália, o mais populoso da Alemanha, ele perdeu a oportunidade de se projetar como líder após as enchentes que atingiram sua região, em contraste com antigos chanceleres como Helmut Schmidt e Gerhard Schröder, que souberam tirar proveito eleitoral de desastres naturais.

"Só porque hoje é um dia desses, a gente não vai mudar a política", foi seu comentário numa entrevista quando questionado se as enchentes não era um sinal de que a Alemanha deveria fazer mais para combater as mudanças climáticas.

Em outra oportunidade, foi filmado dando gargalhadas durante uma visita a uma cidade devastada, justamente quando o presidente Frank-Walter Steinmeier concedia uma entrevista para jornalistas em tom de condolências ao mencionar as vítimas. 

Sua campanha ainda sofreu com críticas de que não tinha propostas práticas para o futuro da Alemanha. Laschet foi seguidamente acusado de não saber deixar claro qual seria a marca do seu governo. Já a CDU havia sofrido no início do ano com o desgaste de escândalos envolvendo alguns deputados da sigla que lucraram com negócios envolvendo a gestão da pandemia. Ele acabou despencando nas pesquisas especialmente a partir de julho.

Em declínio, Laschet e Merkel ainda tentaram apostar num discurso de "medo" contra o SPD e os "riscos" de uma eventual coalizão 100% de esquerda no comando da Alemanha, com membros da CDU/CSU fazendo também críticas às propostas dos verdes e afirmando que elas serão prejudiciais à economia. 

A tática teve pelo menos o efeito de frear a queda livre de Laschet e ajudá-lo a recuperar terreno na fase final, diminuindo a desvantagem em relação a Scholz.

A depender da costura de coalizões, Laschet ainda pode liderar uma virada para manter a CDU/CSU no poder, mas sua campanha vai carregar a marca de ter obtido o pior resultado da história dos conservadores alemães no pós-guerra.