Conservadores alemães pedem proibição da burca | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 02.08.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Conservadores alemães pedem proibição da burca

Políticos do partido de Angela Merkel defendem que país siga exemplo da Holanda, que passou a proibir uso em público de vestimentas islâmicas que cobrem o rosto. Pesquisa mostra que 54% dos alemães apoiariam medida.

Verschleierte Frau und eine Polizistin in Berlin 13.01.2013 (picture-alliance/dpa/F. Schuh)

"A burca não pertence à Alemanha", disse Thorsten Frei, vice-líder da bancada parlamentar da CDU no Bundestag

Após a Holanda começa a aplicar uma proibição do uso de vestimentas islâmicas que cobrem o rosto, como a burca e o niqab, os conservadores do partido da chanceler federal Angela Merkel passaram a pedir a adoção de uma lei similar na Alemanha.

Julia Klöckner, ministra da Agricultura e uma das vice-líderes da União Democrata-Cristã (CDU), reiterou suas críticas às vestimentas e voltou a defender uma proibição. "Permitir o véu de corpo inteiro não tem nada a ver com tolerância, mas é ignorância em relação a mulheres e meninas", afirmou a política, em entrevista publicada nesta sexta-feira (02/08) no jornal Passauer Neuen Presse.

"Não se trata de um pedaço de tecido, mas de toda a imagem de gênero expressa por meio dele", explicou. "Nossa Constituição é totalmente clara", acrescentou Klöckner. "Homens e mulheres têm igual valor e direitos iguais."

Considerada há algum tempo uma das possíveis candidatas à sucessão da chanceler federal alemã, Angela Merkel, Klöckner fez há três anos uma campanha pela proibição do niqab (véu que só deixa os olhos de fora) e burca (cobrindo o rosto e o corpo) - nas discussões políticas no país, ambas as vestimentas costumam ser chamadas simplesmente de "burca".

Embora a proibição dessas vestimentas não seja considerada algo constitucionalmente possível no país, correligionários de Klöckner se solidarizaram a ela na reivindicação. "A burca não pertence à Alemanha", disse Thorsten Frei, vice-líder da bancada parlamentar da CDU no Bundestag (Parlamento). "Isso contradiz decididamente nossos valores e imagem de humanidade."

Uma pesquisa do instituto YouGov divulgada nesta sexta-feira revelou que 54% dos entrevistados na Alemanha apoiariam "totalmente" uma proibição da burca, enquanto 20% disseram "tender" a apoiar uma proibição. Somente 12% afirmaram ser contra o banimento, e 14% disseram não ter opinião a respeito ou estar indecisos.

Após anos de debate, entrou em vigor na Holanda nesta quinta-feira uma lei sobre a "proibição de roupas que cobrem o rosto". A regra se aplica a edifícios públicos, tais como escritórios, hospitais, escolas e transportes públicos, não só para a burca e o niqab, mas também para capacetes integrais ou balaclavas (touca "ninja").

MD/dpa/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
App | Instagram | Newsletter

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados