Com covid-19, Pazuello é internado em Brasília | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 31.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Com covid-19, Pazuello é internado em Brasília

Ministro da Saúde apresenta quadro de desidratação. De acordo com pasta, ele está em hospital particular para acompanhamento médico.

Eduardo Pazuello

Pazuello é o 12º integrante do primeiro escalão do governo Bolsonaro a contrair o coronavírus

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, foi internado nesta sexta-feira (30/10) num hospital particular em Brasília. Há nove dias, ele testou positivo para a covid-19 e desde então estava em isolamento.

De acordo com o Ministério da Saúde, a internação ocorreu após exames de acompanhamento de tratamento da covid-19 diagnosticarem um quadro de desidratação. "Pazuello permanece na unidade de saúde para hidratação e acompanhamento médico e deve ser liberado em breve", acrescentou a pasta em nota.

O ministério não deu mais detalhes sobre o estado de saúde de Pazuello, porém, negou que seu quadro tenha se agravado.

Em 21 de outubro, Pazuello anunciou ter testado positivo para a covid-19. Na ocasião, ele se sentiu mal e chegou a ter febre. Contrariando recomendações de isolamento, o ministro recebeu o presidente Jair Bolsonaro um dia após o diagnóstico, e, sem máscara de proteção, os dois participaram juntos de uma transmissão ao vivo na internet.

O ministro disse durante a transmissão que estaria tomando hidroxicloroquina e azitromicina contra a covid-19. A eficácia de ambos os medicamentos no tratamento contra o coronavírus não tem comprovação científica.

Pazuello está no cargo desde maio, primeiro como ministro interino e depois efetivo, tendo substituído o médico Nelson Teich, que ficou menos de um mês no posto.

Sem experiência na área de gestão da saúde pública, Pazuello logo se tornou um facilitador das vontades de Bolsonaro no ministério, mesmo quando as ordens se chocavam com o consenso científico. Ele editou protocolos para a expansão do uso da hidroxicloroquina e chegou a tentar esconder os números da pandemia.

Por outro lado, tentou melhorar as relações do ministério com os governadores do país, que estavam em pé de guerra com Bolsonaro por causa das atitudes erráticas do presidente – o mandatário sempre minimizou o vírus e agiu sistematicamente para sabotar a imposição de medidas de distanciamento social no país.

Além de Pazuello, outros 11 dos 23 ministros de Bolsonaro já foram infectados. Entre eles estão Walter Braga Netto (Casa Civil), Jorge Oliveira (Secretaria-Geral), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), Onyx Lorenzoni (Cidadania), Marcos Pontes (Ciência, Tecnologia e Inovações), Milton Ribeiro (Educação) e Bento Albuquerque (Minas e Energia).

Em julho, o próprio presidente também testou positivo para a covid-19, após meses ignorando recomendações médicas sobre evitar aglomerações. Pouco menos de três semanas depois, ele disse ter ficado livre do vírus. Sua esposa, Michelle, e seu filho Flávio Bolsonaro também foram infectados.

CN/ots