Com Bolsonaro, liberdade de imprensa se deteriora no Brasil, diz ONG | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 21.04.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Com Bolsonaro, liberdade de imprensa se deteriora no Brasil, diz ONG

País cai pelo segundo ano seguido em ranking da Repórteres sem Fronteiras. Entidade alerta que presidente "segue incentivando ataques a jornalistas" e diz que censura na China favoreceu disseminação do coronavírus.

Presidente Jair Bolsonaro

"Bolsonaro promove sistematicamente um clima de ódio e de desconfiança em relação à imprensa", diz RSF

"A chegada ao poder do presidente Jair Bolsonaro tensionou a relação do governo federal com a imprensa e contribuiu para o país caísse duas posições no Ranking 2020", afirma a ONG Repórteres sem Fronteiras (RSF), se referindo à sua classificação anual da liberdade de imprensa no mundo, cuja mais recente edição foi divulgada nesta terça-feira (21/04).

O Brasil ocupa agora o 107° lugar, entre 180 países listados, à frente do Mali e atrás de Angola (106°), Montenegro (105°) e Moçambique (104°). A primeira posição na lista é da Noruega, seguida por Finlândia, Dinamarca e Suécia, enquanto a Coreia do Norte está na última colocação, à frente do Turcomenistão.

O Brasil mantém a tendência de queda no Ranking Mundial da Liberdade de Imprensa da RSF. No ano passado, o país já havia caído três posições em relação à edição anterior. A entidade alerta que essa queda deve continuar, "na medida em que o chefe do Executivo segue incentivando ataques a jornalistas e meios de comunicação".

A RSF afirma a eleição de Bolsonaro "marcou a abertura de um período especialmente sombrio para a democracia e a liberdade de imprensa" e que frisou que o presidente "promove sistematicamente um clima de ódio e de desconfiança em relação à imprensa" e que, em meio à pandemia, "o governo federal redobrou os ataques, questionando quase que diariamente a cobertura da crise sanitária".

A entidade também frisa que "o 'gabinete do ódio' que cerca o presidente brasileiro publica ataques em larga escala a jornalistas que fazem revelações sobre políticas do governo" e sublinha que "desde o início da epidemia de coronavírus, Jair Bolsonaro redobrou seus ataques à imprensa, que ele considera responsável por uma 'histeria' destinada a gerar pânico no país".

Outro ponto destacado pela ONG é a concentração da mídia brasileira, "sobretudo nas mãos de grandes famílias, com frequência, próximas da classe política". Além disso, segundo a RSF, "o sigilo das fontes é com frequência questionado e muitos jornalistas investigativos são alvo de processos judiciais abusivos" no Brasil.

"Censura na China é ameaça mundial"

A RSF também acusou a China de ter se tornado uma ameaça ao mundo. Segundo a entidade, a supressão à liberdade de imprensa no país foi um dos fatores que aceleraram a disseminação mundial do novo coronavírus. A supressão de informações fez com que o resto do mundo fosse alertado mais lentamente para o problema, levando a doença a se espalhar ainda mais.

"O surto de coronavírus revelou a lição mais importante dessa crise, a de que a censura na China não diz respeito apenas ao povo chinês. Ela também é uma ameaça para qualquer pessoa na Terra", disse o chefe da RSF no Leste Asiático, Cedric Alviani, ao correspondente da DW William Yang.

"Certamente existe uma relação estreita entre o regime e a censura, e o fato de eles terem tentado esconder todas as informações sobre a epidemia durante o primeiro mês é a melhor prova disso", concluiu.

Alviani observa que, por exemplo, no dia 11 de março, quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou que a covid-19 está causando uma pandemia, a China censurou uma longa lista de palavras-chave relacionadas ao vírus em suas plataformas de mídia social, como a WeChat, e aplicativos de agregação de notícias, impedindo que as pessoas possam falar livremente sobre o assunto na internet.

A RSF também alerta que a pandemia de coronavírus está "ampliando" as ameaças à liberdade de imprensa em todo o mundo. A entidade sediada em Paris disse que alguns regimes autoritários se aproveitaram do surto para impor medidas extraordinárias.

Publicado anualmente desde 2002, o Ranking Mundial de Liberdade de Imprensa tem sua metodologia baseada no desempenho em termos de pluralismo, independência da mídia, ambiente e autocensura, arcabouço jurídico, transparência e qualidade das infraestruturas de apoio à produção de informações. Os índices são calculados a partir de um questionário preenchido por especialistas do mundo inteiro. 

MD/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais