Cineasta chileno faz retrato íntimo da viúva de JFK em ″Jackie″ | Cinema | DW | 08.12.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cinema

Cineasta chileno faz retrato íntimo da viúva de JFK em "Jackie"

Uma das principais estreias do fim de ano nos EUA, filme de Pablo Larraín mostra os dias após o assassinato do presidente Kennedy pela perspectiva da então primeira-dama.

Natalie Portman interpreta Jacqueline Kennedy na biografia recém-estreada nos EUA

Natalie Portman interpreta Jacqueline Kennedy na biografia recém-estreada nos EUA

Ao estrear em setembro no Festival de Cinema de Veneza, o filme Jackie foi aplaudido de pé – tanto pela excepcional interpretação da atriz principal, Natalie Portman, como para o diretor Pablo Larraín. No fim, o prêmio não foi nem para a atriz americana de origem israelense nem para o cineasta chileno: o produtor de TV e roteirista de Nova York Noah Oppenheim foi quem ganhou um Leão de Prata, de melhor roteiro.

Mas a grande surpresa acontecera já antes de o filme começar a ser rodado: ninguém esperava que um diretor chileno fosse ser encarregado dessa história intrinsecamente americana. Mas talvez tenha sido justamente essa perspectiva de fora que tornou o filme tão interessante.

Jackie, que estreou na sexta-feira passada (02/12) nos EUA, não é uma daquelas biografias opulentas, típicas de Hollywood. "Todo mundo conhece a história do assassinato de John F. Kennedy", observa Larraín. "Mas não pela perspectiva de sua esposa."

E foi precisamente essa a abordagem do diretor: ele examinou como "ambas" as Jacquelines Kennedy viveram aquele fatídico dia de novembro de 1963: o ícone da moda e viúva do presidente, e a pessoa privada em estado de luto. O que ela passou nos dias que se seguiram, afundada no luto e sendo o foco das atenções mundiais, ao lado dos filhos traumatizados?

"Rainha sem coroa"

"Jackie era uma rainha sem coroa que perdeu trono e marido", compara Larraín. Por isso, ele optou por concentrar seu filme na perspectiva interna da protagonista, explica.

Poucos dias depois do assassinato, um repórter da revista Life perguntou a Jackie como ela estava. Essa entrevista e os flashbacks são justapostos com cenas mostrando a viúva chocada e traumatizada diretamente após o tiroteio. As sequências têm uma coisa em comum: Portman, como a primeira-dama, está na tela praticamente ininterruptamente, emprestando densidade e foco ao filme.

"A elegante, culta e amada Jacqueline Kennedy é uma das mulheres mais fotografadas do século 20. Mas sabemos muito pouco sobre ela", explica Larraín. A "mulher introvertida e impenetrável" é provavelmente a "mais conhecida desconhecida da era moderna".

Larraín confessa gostar da noção de que ninguém de fato sabe, hoje, como ela realmente era: "Nunca vamos conhecer a sua aura, o brilho em seus olhos". Consequentemente, seu filme só poderia se compor de "fragmentos, pedaços de lembranças, associações, lugares, imagens, pessoas".

Natalie Portman ao lado de Peter Sarsgaard em Jackie, do diretor chileno Pablo Larraín

Natalie Portman ao lado de Peter Sarsgaard em "Jackie", do diretor chileno Pablo Larraín

De Jackie a Neruda

Em 2015, Larraín ganhara um Urso de Prata no Festival Internacional de Cinema de Berlim por seu soturno O clube, que trata de abusos sexuais cometidos por padres no Chile. Também nesse caso, o cineasta sul-americano escolheu uma perspectiva não convencional.

Ao contrário do americano Spotlight – Segredos revelados, O clube não se destaca por ser um thriller eletrizante, mas como um psicograma dos perpetradores, retratando apenas alguns ex-sacerdotes enviados a uma casa isolada por terem cometido crimes contra crianças. O filme é sombrio, mas coerente.

Antes disso, Larraín, que é considerado um dos mais interessantes e ativos cineastas latino-americanos do momento, fizera três filmes tematizando a ditadura de Augusto Pinochet.

Recentemente ele abriu o Festival Internacional de Cinema de Mar del Plata, na Argentina, com sua mais recente produção, Neruda. Após o lançamento de Jackie nos cinemas americanos, a película sobre o poeta chileno e herói nacional Pablo Neruda está agendada para 16 de dezembro. Com essas duas obras, o público internacional terá a oportunidade de conhecer um fascinante cineasta e sua abordagem cinematográfica sobre dois ícones do século 20.

Leia mais