Cidadã indonésia recebeu US$ 90 para atacar Kim Jong-nam | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 25.02.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Coreia do Norte

Cidadã indonésia recebeu US$ 90 para atacar Kim Jong-nam

Detida afirma ter sido induzida a acreditar que se tratava de trote para um programa de câmera indiscreta. Perduram as suspeitas de que o líder político da Coreia do Norte teria ordenado atentado.

Diplomata indonésio Andreano Erwin defende inocência de sua compatriota

Diplomata indonésio Andreano Erwin defende inocência de sua compatriota

Uma mulher indonésia que participou do assassinato do meio-irmão do ditador norte-coreano Kim Jong-un teria recebido o equivalente a 90 dólares para atacá-lo no Aeroporto Internacional de Kuala Lumpur.

Após conversar com ela, o vice-embaixador indonésio na Malásia, Andreano Erwin, assegura que a jovem de 25 anos não sabia tratar-se de um atentado, tendo sido paga para supostamente passar um trote para um show de TV de "câmera indiscreta".

Segundo o diplomata, ela agiu de boa-fé, acreditando que o líquido que lhe fora entregue fosse "algo assim como óleo para bebês". Indagada sobre quem a contratara, ela respondeu vagamente que "alguém havia lhe pedido".

Nesta sexta-feira (24/02) a polícia da Malásia confirmou que no rosto de Kim Jong-nam encontraram-se vestígios no altamente tóxico "agente VX", classificado pela Organização das Nações Unidas como arma de destruição em massa. Quantidades mínimas gás dos nervos já acarretam a paralisação de funções orgânicas importantes e morte dolorosa.

Persona non grata para o ditador

Chefe de polícia malaio demonstra procedimento fatal contra Kim Jong-nam

"Assim ele foi envenenado": chefe de polícia malaio demonstra procedimento fatal contra Kim Jong-nam

Imagens de uma câmara de segurança divulgadas na última segunda-feira mostram duas mulheres se aproximando da vítima, em 13 de fevereiro, no aeroporto da capital malaia. Uma delas o aborda por trás, pressionando-lhe um lenço contra o rosto.

Em seguida ao ataque, Kim Jong-nam se dirige ao pessoal do aeroporto. A polícia local relata que ele morreu em meio a cólicas e convulsões, a caminho do hospital. A mídia sul-coreana especula que o assassinato possa ter sido ordenado por Kim Jong-un, com quem seu meio-irmão caíra em desgraça desde 2001, quando foi apanhado em Tóquio com um passaporte falso.

Pouco após o ataque em Kuala Lumpur foi detida uma mulher de 28 anos, identificada como Doan Thi Huong, portadora de passaporte vietnamita, que a cúmplice indonésia afirma desconhecer. Segundo a polícia malaia, uma das mulheres passou mal e vomitou no cárcere. Deduz-se que se trate da vietnamita, já que, de acordo com o vice-embaixador indonésio, sua compatriota está saudável.

AV/afp,dpa

Leia mais