China desbanca EUA como maior parceiro comercial da UE | Notícias internacionais e análises | DW | 15.02.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

China desbanca EUA como maior parceiro comercial da UE

Importações e exportações entre o bloco europeu e o país asiático cresceram em 2020 em meio à pandemia, enquanto negociações com os Estados Unidos despencaram.

Bandeiras da China e da União Europeia

A Eurostat informou que o comércio europeu com a China atingiu 586 bilhões de euros em 2020

A China superou os Estados Unidos como o maior parceiro comercial da União Europeia (UE) em 2020, informou nesta segunda-feira (15/02) a Eurostat, agência de estatísticas do bloco.

Enquanto isso, o Reino Unido, que deixou de fazer parte da União Europeia, foi o terceiro maior parceiro comercial da UE no ano passado, atrás de China e Estados Unidos.

A supremacia da China se deve à forte recuperação do país asiático após ele ter sido duramente atingido pela pandemia de coronavírus durante o primeiro trimestre de 2020. No final do ano, o consumo em território chinês chegou a superar o nível de um ano antes.

Isso ajudou a impulsionar as vendas de produtos europeus na China, especialmente nos setores de automóveis e bens de luxo, enquanto as exportações da China para a Europa se beneficiaram da forte demanda por equipamentos médicos e eletrônicos.

A Eurostat informou que o comércio europeu com a China atingiu 586 bilhões de euros em 2020, em comparação com os 555 bilhões de euros com os Estados Unidos no mesmo ano.

Segundo a agência europeia, esses números são resultado do aumento das importações e exportações entre UE e China, e também da queda significativa das importações e exportações com os EUA.

As importações europeias de produtos chineses cresceram 5,6% no ano passado em comparação com 2019, chegando a 383,5 bilhões de euros. Já as exportações da UE para a China subiram 2,2%, para 202,5 bilhões de euros.

Enquanto isso, as exportações da UE para os Estados Unidos caíram 8,2%, ficando em 353 bilhões de euros, e as importações de produtos americanos despencaram 13,2%, para 202 bilhões de euros.

Além da crise da covid-19, o comércio transatlântico foi prejudicado por uma guerra comercial que acabou resultando em uma série de taxações, incluindo a imposição de tarifas sobre aço e produtos como o champanhe francês e motocicletas Harley-Davidson.

A saída dos EUA do posto de maior parceiro comercial da UE ocorre num momento em que o bloco europeu e a China buscam ratificar um acordo de investimento negociado por muito tempo, que dará às empresas europeias melhor acesso ao mercado chinês.

Comércio com o Reino Unido

Já o comércio com o Reino Unido, embora seja o terceiro maior parceiro comercial da UE, também despencou em 2020, ano em que o país deixou oficialmente o bloco.

As exportações da União Europeia para o Reino Unido caíram 13,2%, enquanto as importações de produtos britânicos despencaram 13,9% entre 2019 e o ano passado.

Em seguida na lista de maiores parceiros comerciais da UE em 2020 estão Suíça, Rússia, Turquia, Japão, Noruega, Coreia do Sul e Índia.

Ao todo, a balança comercial da zona do euro registrou um superávit de 234,5 bilhões de euros – um número superior ao registrado em 2019, mesmo em meio à pandemia de coronavírus.

No somatório do ano, as exportações dos países-membros da área monetária para o resto do mundo caíram 9,2%, para 2,131 trilhões de euros. Ao mesmo tempo, as importações também caíram, em 10,8%, ficando em 1,897 trilhão de euros. Isso rendeu um superávit de 234,5 bilhões de euros, acima do superávit de 2019, que foi de 221 bilhões de euros.

O superávit na balança comercial ocorre quando as exportações superam as importações. Se ocorre o contrário, chama-se de déficit comercial.

ek/ (AFP, Reuters, ots)

Leia mais