China classifica declarações do G7 de difamatórias | Notícias internacionais e análises | DW | 14.06.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

China classifica declarações do G7 de difamatórias

Governo chinês acusa grupo de nações ricas de ingerência e difamação após comunicado defender respeito aos direitos humanos na província de Xinjiang, autonomia em Hong Kong e nova investigação sobre origens da pandemia.

Joe Biden, Emmanuel Macron e Ursula von der Leyen

Presidentes dos EUA, Joe Biden, da França, Emmanuel Macron, e da União Europeia, Ursula von der Leyen, durante encontro do G7 em Cornwall

A China criticou em duros termos, nesta segunda-feira (14/06), um comunicado do G7 (grupo que reúne Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e Estados Unidos) que urge o governo chinês a respeitar os direitos humanos, em especial na província de Xinjiang, e as liberdades fundamentais e o alto grau de autonomia em Hong Kong.

O G7, que se reuniu em Cornwall, na Inglaterra, também expressou preocupação com a situação no Mar de China Meridional, salientando a importância da paz e da estabilidade no Estreito de Taiwan, um região disputada e fortemente vigiada pela China. Taiwan se considera uma nação soberana, enquanto a China afirma que se trata de uma província rebelde.

O presidente dos EUA, Joe Biden, pressionou para que a declaração conjunta do G7 incluísse um tom crítico à China, em especial sobre Hong Kong, a minoria uigur em Xinjiang e a pandemia de coronavírus.

Especialistas afirmam que as autoridades chinesas prenderam cerca de 1 milhão de pessoas da minoria muçulmana uigur na província de Xinjiang. ONGs internacionais relatam que há tortura física e psicológica em prisões e campos de detenção na região.

Os Estados Unidos foram mais longe e acusaram a China de cometer um genocídio da minoria uigur.

"Difamação deliberada"

A China considerou difamatória a declaração final da cúpula do G7, acusou o grupo de nações ricas de interferência e disse que ele deveria promover a cooperação internacional e evitar a confrontação.

"A declaração distorce os fatos sobre Xinjiang, Hong Kong, Taiwan e outros assuntos para difamar deliberadamente a China", comunicou a embaixada chinesa no Reino Unido.

O presidente francês, Emmanuel Macron, disse que o G7 não é um clube hostil à China, apesar do tom do comunicado final, mas um grupo de democracias que quer "trabalhar com a China em todas as questões globais".

Teoria do laboratório em Wuhan

No seu comunicado, o G7 também defendeu uma nova investigação das origens da pandemia de covid-19. O novo coronavírus foi registrado pela primeira vez no mercado de Wuhan, uma cidade da China, em fins de 2019.

Em maio passado, os serviços de informação de Washington ressuscitaram a teoria de que a pandemia teria começado num laboratório na cidade de Wuhan, o que a China nega com veemência e uma equipe internacional de investigadores declarou improvável.

"Os políticos dos Estados Unidos e outros países ignoram os fatos e a ciência. Questionam e negam abertamente as conclusões do relatório conjunto realizado pelo grupo de especialistas da Organização Mundial da Saúde e acusam a China sem fundamento", afirmou a embaixada chinesa em Londres.

"A China espera que esses países cooperem para investigar as origens da pandemia juntamente com a OMS de maneira científica, objetiva e justa", acrescentou o comunicado.

as/lf (Lusa, AFP)

Leia mais