China aprova primeira patente de vacina contra covid-19 | Notícias internacionais e análises | DW | 17.08.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

China aprova primeira patente de vacina contra covid-19

Mídia estatal diz que governo concedeu sua primeira patente à empresa chinesa CanSino. Vacina pode ser produzida em massa em curto período de tempo, afirma documento. Fase 3 dos ensaios clínicos ainda não foi concluída.

Frascos de vacina chinesa

Vacina da CanSino foi a primeira a alcançar a fase 2 de testes clínicos e já foi aprovada para uso interno no Exército

O governo da China aprovou sua primeira patente para uma candidata a vacina contra covid-19, concedida à empresa biofarmacêutica chinesa CanSino, segundo informações divulgadas nesta segunda-feira (17/08) pela imprensa do país asiático.

O jornal estatal People's Daily citou documentos publicados pela autoridade reguladora de propriedade intelectual da China que mostram que a patente foi emitida em 11 de agosto.

A vacina da CanSino, desenvolvida em parceria com o Instituto Científico Militar e batizada de Ad5-nCOV, foi a primeira a alcançar a fase 2 dos ensaios clínicos e atualmente está na fase 3. Em junho, a droga recebeu aval para uso interno e limitado em militares do Exército chinês.

Os resultados da segunda fase de testes clínicos mostraram que a vacina da CanSino é segura e induz resposta imune contra o coronavírus Sars-Cov-2, segundo pesquisa publicada no final de julho na revista científica The Lancet.

O estudo diz que mais de 500 pessoas foram testadas como uma continuação dos primeiros testes publicados em maio, também com resultados positivos, mas que serão necessários mais testes em humanos durante a fase 3 para confirmar se a vacina candidata é de fato eficaz.

Os autores enfatizaram que nenhum participante dos estudos da fase 2 foi exposto ao vírus após a vacinação, portanto ainda não é possível determinar se a vacina candidata protege efetivamente contra a infecção pelo novo coronavírus.

Segundo a patente concedida à empresa chinesa, a Ad5-nCOV mostrou  uma "boa resposta imunológica em ratos e roedores, podendo induzir o organismo a produzir uma forte resposta imunitária celular e humoral em pouco tempo", informa o jornal Southern Metropolis.

O documento afirma ainda que a vacina "pode ser produzida em massa em um curto período de tempo", e que é "rápida e fácil de ser preparada". "Sua segurança e eficácia devem ser comprovadas na terceira fase, que ocorre no exterior", acrescenta a informação.

Especialistas citados pelo jornal Global Times indicam que a concessão da patente demonstra a "originalidade e criatividade" da vacina, e afirmam ser "provável que a CanSino também solicite uma patente junto a autoridades estrangeiras para proteger seus direitos de propriedade intelectual durante a cooperação internacional".

Nesta segunda-feira, a CanSino anunciou a realização da fase 3 de ensaios clínicos na Rússia. Ali, a vacina será testada em 625 adultos, mas não foram fornecidos mais detalhes. Neste mês, a Arábia Saudita já havia anunciado que pretende iniciar ensaios da fase 3 da vacina em seu território. A empresa chinesa também negocia com o Brasil e o Chile para o lançamento de testes.

EK/efe/rtr/ots

_____________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Facebook Messenger | Twitter
YouTube | App | Instagram | Newsletter

Leia mais