Canadá identifica suspeito de atentado em mesquita | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 30.01.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Canadá

Canadá identifica suspeito de atentado em mesquita

Autoridades detêm e indiciam por homicídio o estudante Alexandre Bissonnette, de 27 anos, suspeito pelo ataque que matou ao menos seis pessoas em Quebec. Em telefonema a Trudeau, Donald Trump expressa condolências.

As autoridades canadenses identificaram nesta segunda-feira (30/01) um dos suspeitos do atentado a tiros contra uma mesquita em Quebec, que deixou ao menos seis mortos e 17 feridos no domingo. O ataque foi classificado pelo primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, como um ato terrorista.

A polícia informou mais cedo que havia detido dois homens, mas voltou atrás dizendo que apenas um deles era suspeito do crime, enquanto o outro estava sendo interrogado como testemunha.

Um dos rapazes foi preso na própria mesquita, por volta das 20h no horário local, e o outro foi detido nas imediações, cerca de uma hora mais tarde. O segundo homem teria ligado para a polícia dizendo que participou do ataque e queria cooperar com as investigações, disse o policial Denis Turcotte.

Eles foram identificados como Alexandre Bissonnette e Mohamed el-Khadir, este de ascendência marroquina, segundo funcionária de uma corte em Quebec. Mais tarde, autoridades informaram que Bissonnette era o suposto agressor. Segundo agências de notícias, ele é canadense, tem 27 anos e estuda ciências políticas na Universidade Laval, em Quebec.

Bissonnette foi indiciado nesta segunda-feira por homicídio de primeiro grau pela morte de seis pessoas, além de tentativa de homicídio contra cinco pessoas. Ele foi visto brevemente no tribunal, vestindo um macacão branco. Sua próxima audiência está marcada para 21 de fevereiro.

Tanto autoridades como testemunhas relataram inicialmente que dois agressores teriam entrado no Centro Cultural Islâmico de Quebec com capuzes e atirado contra os cerca de 50 fiéis que estavam presentes no local. Não está claro se a polícia ainda acredita no envolvimento de duas pessoas.

Pelo menos seis pessoas morreram no atentado, com idades entre 39 e 60 anos, segundo a agência de notícias AP. Genevieve Dupuis, porta-voz do Centro Hospitalar da Universidade de Quebec, afirmou que cinco feridos estão em estado crítico, e outras 12 pessoas sofreram lesões superficiais.

Trump expressa condolências

Trudeau condenou o atentado. "Condenamos esse ataque terrorista contra muçulmanos em um centro de culto e refúgio", disse o primeiro-ministro em comunicado. "Muçulmanos canadenses são uma parte importante da nossa nação, e esses atos sem sentido não têm lugar nas nossas comunidades, cidades e país."

O escritório do governo canadense informou que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, lamentou o atentado em telefonema ao premiê. "Presidente Trump expressou suas condolências ao primeiro-ministro e ao povo do Canadá após o trágico tiroteio", diz um comunicado, afirmando que o republicano também "se ofereceu para fornecer qualquer assistência que seja necessária".

O ataque ocorreu horas depois de Trudeau declarar que o Canadá vai receber os requerentes de asilo rejeitados pelo presidente americano, após uma ordem executiva de Trump que restringe a entrada de refugiados e cidadãos de países muçulmanos nos Estados Unidos, o que tem causado indignação mundo afora.

EK/afp/ap/rtr/ots

Leia mais