Caminho livre para Donald Trump | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 04.05.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Caminho livre para Donald Trump

John Kasich, único adversário restante do magnata na corrida republicana à Casa Branca, segue Ted Cruz e abandona campanha eleitoral. Trump diz cogitar o nome de Kasich para vice-presidência.

Último concorrente de Donald Trump pela indicação do Partido Republicano à disputa pela presidência dos EUA, John Kasich abandonou a campanha eleitoral nesta quarta-feira (04/05). A vitória de Trump nas primárias de Indiana, na véspera, já havia forçado a saída de seu principal concorrente, Ted Cruz.

A desistência de Kasich – que conseguiu ganhar somente a primária disputada em seu estado, Ohio – deixa o caminho livre para o magnata americano disputar a presidência dos EUA pelo Partido Republicano, em eleições agendadas para 8 de novembro. A confirmação da candidatura de Trump deve acontecer em julho.

John Kasich: governador era o último adversário restante de Trump nas primárias republicanas

John Kasich: governador era o último adversário restante de Trump nas primárias republicanas

Após cancelar uma aparição à mídia e gerar rumores, Kasich anunciou sua saída em pronunciamento na cidade de Columbus. "Enquanto informo que suspendo hoje a minha campanha, tenho a convicção, uma fé muito profunda, de que o Senhor guiará o meu caminho", afirmou o político.

Kasich também falou sobre como sua campanha inspirou eleitores a se unir e ajudar uns aos outros. "A essência da América reside em nossas almas e corações. Alguns não entenderam essa mensagem", disse ele, sem fazer referência direta a Trump ou revelar se apoiará o candidato na corrida presidencial.

Ao reagir à saída de Kasich, Trump disse acreditar "que John está fazendo a coisa certa". "Acho que ele será muito útil a Ohio, mesmo como governador", afirmou em entrevista à CNN. O pré-candidato revelou ainda que tem um bom relacionamento com Kasich e que estaria disposto a considerá-lo como seu vice-presidente.

Primárias

Com a vitória em Indiana nesta terça-feira, Trump ficou a menos de 200 delegados de obter os 1.237 necessários para a nomeação, apesar de ainda não terem votado estados populosos, como a Califórnia e Nova Jersey. Com pouco mais de 150 delegados conquistados nas primárias, Kasich não tinha mais chances em termos matemáticos de conseguir a nomeação.

Vencedores das primárias e caucuses de 2016 nos EUA

Mesmo contando até agora com o maior número de delegados, Trump não é aceito por boa parte da cúpula republicana. O senador pelo estado do Nebraska Ben Sasse disse que não deverá apoiar o pré-candidato e que a vitória em Indiana não muda a sua posição.

Já o presidente do Comitê Nacional Republicano, Reince Priebus, reconheceu a candidatura de Trump à presidência. "Donald Trump será o provável nomeado do Partido Republicano, devemos nos unir e nos concentrar em derrotar Hillary Clinton", afirmou Priebus, no Twitter.

Entre os democratas, a vitória em Indiana foi do senador de Vermont Bernie Sanders, apesar de as sondagens iniciais terem dado Hillary Clinton como vencedora. O resultado, porém, não tem grande influência sobre a atual situação, pois Hillary já tem 92% dos delegados que precisa para ser indicada como candidata do Partido Democrata à presidência.

EK/FC/afp/ap/dpa/lusa/rtr

Leia mais