″Califado″ do EI é eliminado na Síria | Notícias internacionais e análises | DW | 23.03.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Oriente Médio

"Califado" do EI é eliminado na Síria

Apoiadas pela coalizão liderada pelos EUA, Forças Democráticas Sírias anunciam fim do autoproclamado califado do "Estado Islâmico" (EI) na Síria. Mas grupo extremista ainda tem milhares de combatentes na região.

Syrien SDF Kämpfer in Baghouz (Reuters/Stringer)

Bandeira das Forças Democráticas Sírias é hasteada em Baghouz

As Forças Democráticas Sírias (FDS) anunciaram neste sábado (23/08) que o autoproclamado califado do "Estado Islâmico" (EI) foi totalmente eliminado, após combates em Baghouz, o último reduto jihadista na Síria.

"As Forças Democráticas Sírias declaram a total eliminação do califado autoproclamado e a derrota territorial do 'Estado Islâmico'. Neste dia único, lembramos os milhares de mártires cujos esforços fizeram possível esta vitória", escreveu o porta-voz das FDS em sua conta do Twitter.

Militantes curdos e árabes das Forças Democráticas Sírias, apoiados pela coalizão internacional liderada pelos EUA, combatiam há várias semanas os jihadistas no que consideravam ser o seu último reduto: a cidade de Baghouz, no interior da Síria.

A bandeira amarela das Forças Democráticas Sírias, aliança liderada por curdos, foi colocada nos edifícios de Baghouz, após a preta dos jihadistas do EI ter sido retirada. As FDS sublinharam ainda que vão continuar combatendo o que resta do grupo extremista até que ele seja completamente erradicado.

Após o anúncio, o presidente dos EUA, Donald Trump e prometeu que os americanos permanecerão "alertas" à principal organização jihadista do mundo.

"Nós permaneceremos alertas (...) até que (o EI) seja finalmente derrotado, onde quer que seja", disse Trump em um comunicado. "Continuaremos a trabalhar com nossos parceiros e aliados para esmagar completamente os terroristas islâmicos radicais", acrescentou.

Os Estados Unidos lideram a coligação internacional que integra mais de 70 países, com o apoio do Conselho de Segurança da ONU, para combater o terrorismo na Síria e no Iraque. Embora o EI já não controle territórios, Washington calcula que o grupo extremista ainda tenha até 20 mil combatentes na Síria e no Iraque.

"Cremos que existem entre 15 mil e 20 mil seguidores do EI, apoiadores armados ativos, embora muitos integrem células adormecidas na Síria e no Iraque", indicou na semana passada o enviado especial dos Estados Unidos para a Síria, James Jeffrey.

As FDS expulsaram o EI da maior parte do nordeste da Síria, incluindo Raqqa, a capital de fato do "califado", que foi conquistada em outubro de 2017 após quatro meses de combates.

O anúncio das FDS aconteceu horas depois que a Casa Branca proclamou a vitória contra o EI, embora ainda continuassem os combates em Baghouz, cidade localizada a poucos quilômetros da fronteira com o Iraque.

A campanha militar das FDS foi retomada em setembro de 2018 e se desenvolveu lentamente, especialmente no último mês, devido à presença de milhares de civis em Baghouz.

CA/dpa/lusa/efe

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais