Cúpula de Poznan termina com conflito entre pobres e ricos | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 13.12.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Ciência e Saúde

Cúpula de Poznan termina com conflito entre pobres e ricos

Após 12 dias de negociações, nações ricas são criticadas por emergentes e países em desenvolvimento por não aceitarem ampliar o financiamento do Fundo de Adaptação para combater as conseqüências do aquecimento global.

default

Todos concordam em reduzir emissões. A questão é: como?

A conferência mundial sobre mudanças climáticas das Nações Unidas chegou ao fim neste sábado (13/12) em Poznan, na Polônia, com um conflito entre países ricos e nações em desenvolvimento.

A União Européia e outros Estados desenvolvidos se negaram a aceitar uma exigência destes últimos de que fosse imposta uma taxa de 2% sobre todas as transações no mercado de emissões de carbono, a fim de ampliar o fundo de ajuda aos mais pobres.

Por mais que tenham finalmente liberado 60 milhões de dólares para o Fundo de Adaptação, destinado a ajudar países em desenvolvimento e emergentes a lidar com as conseqüências da mudança climática, a União Européia admitiu que seriam necessários bilhões para dar conta da tarefa.

Mesmo assim, os países industrializados disseram que é cedo demais para a sugestão, o que gerou fortes críticas. A Índia acusou as nações ricas de "crueldade, estrategismo e ofuscação", lembrando que as vítimas das mudanças climáticas são freqüentemente os mais pobres.

Para o representante indiano, Prodipto Ghosh, milhões de pessoas sofrem pois os países ricos não estão dispostos a ceder uma parte mínima de seus lucros com a venda de certificados de emissão. "Teremos que investir mais energia em diminuir o crescente fosso entre os dois lados", disse o representante do Gana. "É um fosso de visão, o que não é um bom sinal para o futuro."

Esperando Obama

A maratona de quase duas semanas de negociações resultou em pouco progresso nas principais questões, entre elas a redução das emissões de gases-estufa, devido principalmente ao fato de muitos países estarem aguardando até que Barack Obama assuma o governo dos Estados Unidos em 20 de janeiro próximo.

Além disso, a linguagem emocional na sessão de encerramento fez com que a tentativa de redigir uma declaração conjunta falhasse, com muitos representantes ressaltando a dificuldade de se levar adiante a luta contra o aquecimento global em época de crise econômica – tema abordado por diversos palestrantes.

Depois de Kyoto

De modo que não foram definidas metas claras de redução das emissões, nem houve progressos na luta contra o desmatamento florestal. Mesmo assim, os representantes de 189 países aprovaram um plano de ação que define os rumos de negociações até a cúpula de Copenhague em dezembro do ano que vem e confirma o ano de 2009 como prazo para que estas se encerrem.

Os países industrializados cederam também à pressão dos emergentes ao aceitar que o acesso às verbas do fundo de ajuda seja facilitado, sem que nações pobres tenham que passar por longos e burocráticos processos.

A decisão coloca agora os países emergentes sob pressão para que concordem em reduzir suas emissões. O objetivo é que se aprove em Copenhague um tratado global em substituição do Protocolo de Kyoto, que expira em 2012.

Leia mais