Câmara conclui votação da reforma da Previdência | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 08.08.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Câmara conclui votação da reforma da Previdência

Em sessão de quase dez horas, deputados rejeitam os oito destaques apresentados pela oposição e mantêm sem alterações o texto-base aprovado em dois turnos. Proposta segue para análise no Senado.

Congresso Nacional, em Brasília

Congresso Nacional, em Brasília: texto da reforma da Previdência segue para a CCJ e depois para o plenário do Senado

O plenário da Câmara concluiu na noite desta quinta-feira (07/08) a votação da reforma da Previdência em segundo turno. Em sessão que durou quase dez horas, os deputados rejeitaram os oito destaques apresentados pela oposição e mantiveram sem alterações o texto principal, aprovado na madrugada anterior. O texto segue agora para análise no Senado.

Ao encerrar a sessão, que começou às 9h, mas só teve a ordem do dia aberta por volta das 12h30, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), agradeceu o apoio de todos os partidos na construção e na aprovação da reforma, afirmando que ela foi consequência de um trabalho coletivo.

"Ninguém chega a um resultado desses sozinho", ressaltou. Ele recebeu os cumprimentos dos ministros da Economia, Paulo Guedes, que apareceu no plenário nos instantes finais de votação, e da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que deixou o ministério para participar das votações como deputado.

"Estou muito satisfeito e vim aqui cumprimentar o excelente trabalho da Câmara", disse Guedes.

Como o texto do primeiro turno foi mantido na votação em segundo turno, não há necessidade de que a proposta seja novamente aprovada em comissão especial. Assim, a proposta está pronta para ser encaminhada para o Senado.

O texto deixa a Câmara quase seis meses depois de ser enviado pelo governo. O Senado deve analisar a proposta de emenda à Constituição (PEC) a partir da semana que vem – primeiro na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e depois no plenário, também em dois turnos. Para ser aprovado, o texto precisa do aval de 49 dos 81 senadores.

A versão aprovada do texto-base deve garantir uma economia de R$ 933,5 bilhões nas despesas previdenciárias nos próximos dez anos, segundo estimativas do Ministério da Economia. A proposta inicial, encaminhada por Bolsonaro ao Congresso em fevereiro, previa uma redução de R$ 1,2 trilhão.

A reforma propõe regras mais rígidas que as atuais para a aposentadoria de trabalhadores da iniciativa privada e para servidores públicos federais. uma delas é a idade idade mínima de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres.

O tempo mínimo de contribuição proposto para o setor privado é de 15 anos para mulheres e 20 anos para homens. No funcionalismo público, é de 25 anos tanto para homens quanto para mulheres.

MD/ebc/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | App | Instagram | Newsletter

Leia mais