Câmara aprova projeto que flexibiliza posse de armas no campo | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 22.08.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Câmara aprova projeto que flexibiliza posse de armas no campo

Medida prevê que posse de armas seja permitida em toda a extensão do imóvel rural, e não apenas em sua sede, como dita a norma atual. Texto segue para sanção de Bolsonaro para entrar em vigor.

Câmara dos Deputados

Placar na Câmara foi de 320 votos favoráveis e 61 contrários

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta quarta-feira (21/08) o projeto de lei que flexibiliza a posse de armas em propriedades rurais. O PL 3.715/19 altera o Estatuto do Desarmamento e autoriza a posse de armas de fogo em toda a extensão do imóvel rural, e não apenas na sede, como atualmente é permitido.

O placar foi de 320 votos favoráveis e 61 contrários. O texto já havia sido aprovado pelo Senado em junho e precisa agora da sanção do presidente Jair Bolsonaro para entrar em vigor.

Na justificativa dos favoráveis à mudança, a nova regra trará mais segurança ao proprietário rural, porque permitirá que ele se defenda de assaltantes e invasores de terra.

"Nada mais justo do que permitir aos residentes rurais que mantenham arma de fogo em sua residência ou domicílio e que a lei deixe claro que residência ou domicílio consiste em toda a extensão da área do imóvel", afirmou o relator da proposta, o deputado Afonso Hamm (PP-RS).

Para o deputado Bibo Nunes (PSL-RS), o poder de intimidação dos agricultores precisa aumentar. "O produtor rural precisa andar armado, ele precisa sempre defender a sua propriedade contra invasões, contra ladrões e roubo de gado", afirmou.

Já entre os que se opõem à medida afirmam que a liberação da posse de armas em toda a extensão das propriedades aumenta o risco de violência no campo. O deputado Jorge Solla (PT-BA), por exemplo, argumenta que movimentos sociais, índios ou trabalhadores rurais podem ser alvo de violência.

"Só quem tem a ganhar são as milícias, são os fabricantes de arma, são os que promovem a violência no campo", disse Solla.

A alteração aprovada agora pelo Congresso Nacional já havia sido autorizada em forma de decretos editados por Bolsonaro. Mas eles foram revogados pelo governo logo após o Senado rejeitar as medidas, sob o argumento de que o tema só poderia ser tratado por meio de projeto de lei, de acordo com a Constituição. 

A pauta voltou ao Congresso por meio da bancada ruralista e da base governista, que reapresentaram o tema em forma de projetos de lei. Além do projeto relativo à ampliação do porte para toda a extensão da propriedade rural, os senadores também aprovaram em junho um projeto que pretende reduzir de 25 para 21 anos a idade mínima para a compra de arma de fogo no caso de residentes em áreas rurais.

CW/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | App | Instagram | Newsletter

Leia mais